Survive - Capítulo 01

| | |
" Piloto"
 Untitled
VOCÊ P.O.V's
          Conseguia com muito esforço me mover para longe daqueles destroços, ao longe eu podia ouvir o gemido de dor de mamãe. Sim, eu sabia que tinha que fazer algo, mas nenhuma ideia sensata me vinha a mente, estava apavorada. Afundei minha mão no meu bolso traseiro, agarrei minha faca e controlando a dor na coluna consegui me esquivar o suficiente para cortar as cordas que envolviam os pés de Luke, ele se remexeu inquieto. 

-Vamos continuar - murmurei guardando minha faca depois de cortar as mangas chamuscada da blusa do meu irmão- Temos alguns quilômetros até conseguimos avistar a estrada, conseguiremos isso antes do por do sol.
-Você sabe que não -Luke colocou - Mamãe não suportaria, ela está muito fraca.
-Luke -aproximei-me um pouco dele -Precisamos salva-la e aqui não é seguro.
-SeuNome -revirou os olhos cansado - Caminhar agora, com ela nessas condições... É como mata-la.
-Não temos um lugar seguro para protege-la - retruquei.
-Iremos protege-la -com os joelhos sujos de terra e um belo corte na testa ele me fitou profundamente, levantou-se - É assim que será. 
-Eu só tenho medo de perde-la -abaixei minha cabeça para puxar o ar -Eu só tenho medo de não ser forte o suficiente para manter vocês vivos. 
-Vamos continuar vivos, aconteça o que acontecer. Agora ande -de pé a minha frente ele esticou a mão, eu aceitei e ainda relutante coloquei-me de pé -Vamos achar um lugar tranquilo para passar a noite, temos remédios e suprimentos por dois dias, vamos sobreviver.

           Eu gostaria de acreditar em suas palavras, mas algo em mim murmurava que ele estava errado. Eu ignorei o sentimento de derrota. Mesmo não querendo admitir, eu também me encontrava exausta e uma boa noite de sono, pelo menos uma vez, séria tudo que eu precisava para recuperar minhas energias e minhas forças. Ao lado de Luke conduzimos mamãe com passos vacilantes, meus pés estavam sangrando muito e meu tênis estava desconfortável, minhas roupas surradas permitiam que o vento frio percorresse cada centímetro da minha pele desnuda causando frequentes calafrios e gemidos sôfregos de frio. 

-Vocês precisam continuar- mamãe sussurrou no meio do caminho.
-Estamos continuando - Luke respondeu com um fiapo de voz.
-Não, não estão -ela encostou a cabeça no meu ombro, eu troquei um olhar nervoso com Luke.
-Estamos quase lá mãe, lute - suplico, preocupação transbordando em minha voz - Por favor -peço aflita.
-SeuNome-ela de repente parou de andar, se voltou para mim. Estava tão cansada -Você fez uma promessa, lembra? -eu assenti com os olhos marejados -Você precisa cumpri-la.
-Eu não sei por onde começar -deixei escapar meu nervosismo- Eu preciso de você.
-Você precisa sobreviver, você precisa seguir em frente -seu olhar tremulo se voltou ao Luke -Vocês precisam escapar.
-Não posso deixa-la, eu não suportaria -meu irmão a segurou com as duas mão- Você não pode desistir, você não pode se render assim.

    Luke começou a sacudir o ombro dela, mamãe pressionou os olhos visualmente controlando suas dores. Sem pensar duas vezes eu o empurrei para longe, o fazendo cair sentado no chão úmido de terra. 

-O que deu em você? -exclamou exasperado.
-Cala boca -retruquei -Vamos sair daqui.     

           Conduzi minha mãe sozinha,Luke rapidamente se levantou e me olhando torto tomou o lado  direito de mamãe. Continuamos, tinha muita estrada pela frente e mesmo que quissemos passar a noite em um lugar tranquilo, teríamos que andar muito. 
[...]

          Foi difícil. Mas depois de duas horas de viajem pesada, conseguimos acharmos uma boa sombra, o que nós permitiu um descanso de meia hora. Luke escorregou do meu lado, ele sacou a garrafinha, a nossa última garrafinha d'água, mamãe estava meio desacordada nos meus braços, então praticamente todo o nosso mantimento demos à ela, não suportaria perde-la nessas condições desumana, na verdade eu estava à beira do desespero, mas tentava me manter sóbria, sei o quanto Luke precisa de mim, o quanto preciso ser forte pela nossa mãe. Aceitei a água que Luke me oferecerá, dei um gole considerável, minha garganta, podia senti-la me agradecendo por isso. Um estrondo, tremulou toda a terra de baixo de nossos pés, antes mesmo de conseguirmos seguir em frente. Virei-me rapidamente já sacando minha faca. Podia sentir o calor da minha pele, e a maneira como meus olhos cristalizaram. Minha faca na minha mão pesava aceleradamente, aos poucos senti todo o meu corpo estremecer. Recuei alguns passos para trás até sentir minhas costas contra o peito do meu irmão. Luke levantou os olhos, sua expressão refletia a minha. Era imenso. Mal conseguia olhar até o topo. Um verdadeiro castelo, em meio a toda destruição atrás das minhas costas um lugar sereno. Olhei para meu irmão, e depois para os olhos pequenos de mamãe, seu olhar cansado e um tanto de surpresa dizia silenciosamente para seguimos em frente. Ajeitei os braços ao redor do seu corpo machucado, abraçando-a fortemente.

-Não temos outra opção - murmurei e acabei me rendendo - Vamos descobrir o que tem lá dentro.
Continua..
Olá gente! Primeiro capitulo postado. Eu pensei em transforma-lo em prólogo, mas mudei de ideia de última hora, sim, eu sou indecisa pra caralho, detesto isso em mim... Mas, enfim,eu acabei de chegar na minha cidade :( precisei viajar de última hora a saude da minha avó não anda boa e minha família tá um caos :/ No entanto Eu trago mais capítulo semana que vem! fiquem ligados. Bjos :*
 

Um comentário: