Badboy of' Mine - Capítulo 36

| | |
- Qual o sangue mais frio? 

Talvez eu saia essa noite, podemos pintar a cidade de azul. Sou tão quente que pego fogo, posso ser sua ingênua, te manter seguro e inspirado. A caminho da guerra, eu te amo só um pouco demais. -Serial Killer/ Lana del rey

SeuNome P.O.V's
jh
Apertei o celular fortemente nas mãos após desliga-lo, eu tinha ficado sabendo a poucos minutos do que tinha acontecido. Sabia exatamente como todos voltariam para esse lugar que chamávamos de lar, estariam acabados, revoltados, com ódio do mundo. Não dava para evitar, por mais que no fundo fosse o que todo mundo quisesse fazer. Frank, Frank! Aquele imbecil, vagabundo, irritante, era impossível imaginar ficar sem ele, era impossível acreditar no fato de que pela manhã você conversa e ri com uma pessoa e no final do mesmo dia ela está morta. Parecia tão injusta a forma como éramos forçados a aceitar uma coisa tão cruel.
O suor frio escorria do meu rosto, e meu coração batia forte e rápido. Logan entrou na sala de estar e eu mal consegui lhe dizer uma palavra sequer, apenas o abracei. Segurei firme aquele sentimento horrível crescendo no meu peito e ele retribuiu o abraço confuso, para depois me soltar procurando por uma expressão no meu rosto que explicasse aquele ato assim do nada.

Logan: O que foi SeuApelido? -não respondi, eu mal conseguia falar, só de imaginar que Frank não estava voltando com os outros para casa dessa vez impedia minha boca de pronunciar qualquer palavra. Jack me contou tudo embolado e confuso por telefone, já que ele estava bem abalado, as únicas coisas que entendi direito foi algo sobre Zayn ser sequestrado e, bem, Frank... -Fala comigo, droga! Por você está assim? -continuei calada. -Não vai me responder? -repetiu, agora soando nervoso.
Eu: O Frank, Logan! -disse baixo. -Ele não vai voltar.
Logan: E-ele...como assim não vai vo... -e parou. Nos seus olhos estavam o entendimento que nenhum de nós aceitava. Procurava algum indício nos meus olhos de que aquilo fosse alguma piada de mal gosto ou mentira. Logan ficou paralisado por um tempo até colocar as mãos na cabeça e cambalear desnorteado pela sala. Antes que eu pudesse pensar em qualquer coisa concreta, uma movimentação começou no cômodo ao lado e eu corri o mais depressa que pude até lá. Lá estavam eles no hall de entrada, da mesma maneira que imaginei. Com certeza pior, Jack tinha os olhos vermelhos como se tivesse estourado todas as veias daquele local de tanto chorar. Foi instintivo, procurei por Zayn em meio a eles. Quando olhei em sua direção, me assustei. Ele estava vestido com uma blusa repleta de sangue. Com uns machucados no rosto, os pulsos com algumas marcas, cabelo bagunçado, maxilar travado. O olhar cansado e a postura desajeitada, o deixaram nitidamente triste.

- Como podem se safar dessa? Vai ficar por isso? Ninguém vai fazer nada?! -a voz afiada era de Jack, ele estava mesmo alterado. -ESTOU FALANDO COM VOCÊ!-se aproximou mais de Zayn. Eles já chegaram brigando?
Piper: Entenda amor, não podemos fazer nada agora. -Jack a empurrou para o lado ignorando-a.
Jack: Isso é tudo sua culpa, se não tivesse nos metido em mais uma roubada sua o Frank ainda estaria vivo! Estaria aqui agora!
Zayn: Cara, você não faz ideia do que está falando. -respondeu anestesiado. 
Logan: Então é verdade mesmo. -passou por mim. -Como foi que isso aconteceu?!-seus olhos estavam marejados, ele parecia sem chão. Eu só conseguia ouvir.
Danny: O Malik foi sequestrado quando saía da empresa dos irmãos Carrington, ele foi levado para um galpão no meio do nada até onde o Jack os seguiu e teve que pedir nosso reforço de última hora para ajudarmos a tira-lo de lá. E o Frank...ele não sobreviveu.
Jack: EU NÃO ESTOU ACREDITANDO QUE ISSO ESTÁ ACONTECENDO! NÃO HOJE, NÃO AGORA!-bateu de mão fechada na mesa ao seu lado. -Isso é tudo culpa sua, filho da mãe!
Zayn: Abaixa a sua bola, vocês quiseram ser uma equipe, eu mandei ficarem apenas com o tráfico! Não vem jogar tudo nas minhas costas agora. -finalmente se pronunciou. -Isso foi um erro, uma falha de comunicação, não vai mais acontecer, não pode...
Jack: Não me diga, é mesmo?! -sua voz era falha na tentativa de soar alta. -Não vai mais acontecer mesmo, PORQUE O FRANK NÃO VAI MAIS VOLTAR! -foi para cima de Zayn que se defendeu o empurrando várias vezes para longe. Danny e Piper tentaram separa-los até que Zayn parou cansado. Parecia que estava escrito em seu rosto "Merda, o que eu estou fazendo empurrando o meu melhor amigo?".
Piper: Chega vocês dois! -se meteu no meio de ambos. -Isso não foi culpa de ninguém. -olhou para o namorado. -Você não pode o culpar, Jack. 
Jack: POR QUE NÃO? EU TENHO O DIREITO DE CULPAR ELE!
Zayn: VOCÊ ACHA QUE EU GOSTEI DE VER UM DOS MEUS MELHORES AMIGOS MORRER NOS MEUS BRAÇOS? ACHA QUE EU ESTOU FELIZ? -todos se calaram, por um instante. Débora passou por mim praticamente escondendo o rosto, eu sabia que ela não queria aturar mais aquela situação. E desapareceu após subir para o andar de cima. Com a respiração bem difícil, Danny foi o segundo e desabou no corredor caindo sentado. -Você ainda chegou tarde.
Jack: Eu fui o mais rápido que pude, desde o sinal na frente do prédio até chegarmos no galpão. 
Zayn: Eu não acredito nisso. -retrucou sarcástico. 
Jack: Eu não preciso te provar nada, graças a mim salvamos a sua vida. -respondeu grosseiramente. Ele nunca foi conhecido por ter muita paciência mesmo, e todos estávamos a ponto de um colapso nervoso. -Já vou. 

Saiu apressado, deixando a sala silenciosa após seus passos sumirem. Eles ficaram me olhando com cara de bobos, e naquele momento tudo que eu desejava era não ver aquelas pessoas sofrendo. Eu mal me lembrei da angustia que estava sentindo, ao perceber o semblante de cada um. Aquelas pessoas significavam tanto pra mim, que eu mal podia explicar. Zayn balançou a cabeça negativamente com seus pensamentos e atravessou ao meu lado para subir ao andar dos quartos. Seu corpo cambaleou e eu segurei seu peito, colocando um de seus braços envolta do meu pescoço para apoia-lo. Subi as escadas com ele após notar um pequeno sorriso no canto de seus lábios. 

Eu: Não faz isso comigo não, já é sofrimento o bastante para uma noite. -disse baixo e ele me olhou cheio de humor. 
Zayn: Mas eu não estou fazendo nada, ai. -se queixou de alguma dor quando abri a porta de seu quarto soltando-o. Eu nem sabia por onde começar a ajuda-lo, parecia que um caminhão havia passado em cima dele umas cem vezes e não satisfeito ainda deu ré. 
Nós estávamos brigados, e não nos falávamos a uns dois dias desde que Meg esteve aqui. Eu ainda sentia uma puta raiva desse idiota, pelas coisas que disse e eu simplesmente não conseguia esquecer e sabia que ele também queria me esganar de vez em quando. Mas se tem algo que se é obrigado a descobrir é que o amor é uma mistura de "me deixa em paz" com "volta aqui, fica mais um pouco". 
Eu: Acho melhor você tomar um banho. -disse analisando melhor seu estado. 
Zayn: Também acho. -respondeu sério tirando a camisa e deixando a mostra um corte em sua barriga, estava feio. Começou a tirar as roupas ali mesmo confortavelmente enquanto procurava por uma toalha. 
Eu: Precisa cuidar disso, eu posso te ajudar. -Zayn sorriu agradecido embora eu pudesse ver muita tristeza em seus olhos. Eu não poderia esperar muito dele naquela condição. Muito menos que desse o primeiro passo para que voltássemos a agir normalmente, droga, eu abominava esse lado fechado dele em relação aos sentimentos. 
Zayn: Okay.
Eu: Tá. -ele entrou no banheiro da suíte, fechando a porta. Fiquei ponderando a ideia por um tempo maior que o necessário, o que colocaria tudo em risco. Não sabia direito o que fazer, mas principalmente o que não não fazer. Acho que todos estávamos em um estado de êxtase inevitável. Fora que a palavra "mentirosa" ainda brilhava como neon na minha cabeça, embora eu não conseguisse me sentir culpada por não contar sobre o meu pai. Não esperava que as coisas chegassem onde estão.

Me aproximei da porta do banheiro e escutei o barulho do chuveiro abafando todo o resto que havia lá dentro. Sentei apoiada em um travesseiro fofinho em um canto do sofá de canto, a alguns metros da cama. O quarto de Zayn era incrivelmente aconchegante, para tanta bagunça. Esperei, esperei. Alguns minutos a porta se abriu, o ar abafado do chuveiro invadia o quarto vindo junto com Zayn. Os cabelos molhados e desajeitados pingavam em seu rosto, os pelos eriçados pelo frio, o abdômen definido com o corte que vi antes com algumas gotas de água escorrendo e a boxer azul. Minha visão do paraíso, sem dúvidas. Zayn mal me olhou, essa era a aposta que ele ainda estava chateado comigo, bravo, cansado de tudo isso. Ele pegou outra toalha e secou seu cabelo de qualquer jeito, alguns sons saíam de sua boca.

Eu: Olha, eu vou pegar alguns remédios lá embaixo...-ele se virou para mim e assentiu. Estava na cara que nenhum de nós estava muito afim de conversar. -Já volto.
Zayn: Ah, SeuNome! -chamou e eu me virei. Ele abriu a boca umas duas vezes mas hesitou. -Nada, esquece.


Zayn Malik P.O.V's

Ela saiu e um eco veio logo depois, em seguida o silencio habitou ali. Não é possível, não consigo acreditar que não sou capaz de pedir para a SeuNome ficar! Como posso deixar o orgulho me enforcar dessa maneira, impedir as palavras de saírem? Porra, como sou imbecil. Meu corpo doía exatamente como se é de imaginar depois de tomar uma bela surra, mas pelo menos consegui tirar todo aquele sangue de mim durante o banho, no qual tive que me controlar para não gritar ao colocar os machucados debaixo da água quente. Pelo menos agora, eu me sentia muito melhor fisicamente. Já psicologicamente não dava para dizer o mesmo. Eu preferia me privar de quaisquer pensamentos para não perder mais tempo sofrendo, eu já estava tão cheio do drama, da angustia e o melhor jeito de abafa-la era reprimir. Fingir que nada aconteceu. Era incrivelmente doloroso, ter que fingir que Frank não era um irmão pra mim, que não era nada, fingir que ele nem existiu. Mas era exatamente que aquele momento exigia, eu precisava passar confiança para os outros.
Peguei uma calça de moletom rapidamente em meu guarda-roupa e entrei novamente no banheiro para terminar de me enxugar. Ouvi um barulho mínimo e saí achando que SeuNome tinha voltado, mas encontrei Piper sorrindo pra mim sentada na minha cama, havia uma caixa de primeiros-socorros ao seu lado.

Eu: Perdeu alguma coisa aqui?
Piper: Quanta grosseria! -riu, sem parecer ofendida com o meu tom. -O Jack me pediu para pegar o controle da garagem que ficou com você e eu aproveitei pra pegar uns remédios para...isso aí. -concluiu ao analisar minha barriga.
Eu: Doce como sempre, não é? -ironizei.
Piper: Você sabe que eu sou. -disse rápido.
Eu: O controle está ali. -apontei para a cômoda enquanto mexia no celular em qualquer coisa aleatória fingindo estar ocupado para que ela se mandasse logo dali. Ela remexeu nas minhas bagunças em cima do móvel e achou.
Piper: Ótimo, agora me deixa ver isso. -andou até mim.
Eu: Não acho que tenha necessidade, valeu. -ela passou a mão pelo meu peito ignorando meu comentário, descendo até em volta do corte e eu estremeci com o ardido e arrepio que isso causava. -Você esqueceu os remédios em cima da cama.
Piper: Ah, sim! -voltou até a mesma, empinando a bunda para alcançar a caixa. Isso estava parecendo mais um inicio de filme pornô, que vagabunda.
Eu: É claro que esqueceu. -ri nervoso por perceber que as palavras haviam saído sozinhas. -Olha só, eu já volto. -foi tudo que consegui dizer e fui para o banheiro, era um lugar seguro anti-Piper na qual fiquei alguns minutos com a torneira ligada fingindo estar usando para que ela se tocasse. Vi pela fresta da porta que a luz do quarto tinha apagado, que merda essa garota estava fazendo? Fui obrigado a sair e encontrei apenas a luz do abajur iluminando o lugar.
Piper: Você acha que eu posso passar a noite aqui? Esse incidente com o Frank me deixou muito mal. -eu não me virei, apenas fiquei parado, me segurando pra não mata-la ali mesmo.
Eu: O que?
Piper: Eu não sabia o que você ia achar disso, mas nós dois estamos em momentos difíceis, precisamos de companhia, certo? -se aproximava. -Você precisa de cuidados, Zayn. E eu sou experiente para isso.

Soltei um riso. Como ela podia ser tão idiota? Me enganei totalmente sobre essa garota, ela na verdade sofria era de uma carência gigantesca. Só matou algumas pessoas, traficou, e era uma ótima criminosa mas, continuava sendo uma garotinha carente que se entregava facilmente a qualquer um por causa disso. Eu só conseguia sentir pena dela, se rebaixando assim a mim. Impedi suas mãos de voltarem a me tocar e vi sua expressão mudar em segundos, irritada a loura tentou me bater, mas também a parei antes.

Piper: Desgraçado! Se acha demais para qualquer uma, não é? -sussurrou perto de mim, seu olhar era felino. Eu só conseguia pensar no quanto ela estava gostosa, mas apesar de tudo eu não iria me entregar a ela. A minha garota estava me esperando assim como eu para voltarmos e ficar de bem. -Se é tão bom quanto pensa porque não me enfrenta, hein? Se tem tanta coragem?
Eu: Ah, eu não bato em mulheres. -sussurrei de volta ironicamente, usando seu jogo contra ela.
Piper: Quanto machismo, está dizendo que eu sou mais fraca é?
Eu: Não estou dizendo amor, é a ciência. -ela ficou me olhando por alguns segundos. Ótimo saber que mais alguém fica desconfortável em minha presença. Excelente!
Piper: Eu te conheço um pouco Malik...e acho que você se esquece disso. -soltou uma risada. -E você me conhece também. -afastou-se e passou por mim saindo do quarto. Eu não fiquei a olhando ir, e não disse mais nada. Ela sempre soube que eu não cairia nessa, não sei nem porque estava tentando agora. Só me senti aliviado de não respirar tão perto da boca de Piper por mais meio segundo. Alguns segundos depois SeuNome entrava, droga, tinha que ter demorado tanto? Com certeza elas se cruzaram no corredor, então resolvi aliviar assim que vi aquela expressão fria em seu rosto.
Eu: Hoje meu quarto está bem habitado, não? -tinha um por cento de esperança que ela risse, mas sabia que não ia. E não riu, apenas balançou a cabeça como se se controlasse para não fazer uma besteira rapidamente e veio até mim.
SeuNome: Claro, era por isso que eu não estava achando! -olhou os remédios em cima da cama. -Tive que pegar esses outros no depósito. -eu me sentei ainda sem camisa na beira da cama e ela se posicionou a minha frente, começando a espalhar remédios diferentes em meus machucados. SeuNome tomava cuidado para não apertar muito os dedos enquanto passava em alguns lugares do meu rosto. Mas se doesse, com certeza seria ponto pra ela. -Está melhor? Digo...
Eu: Não, nada bem. -ela segurou meu queixo nivelando nossos olhares.
SeuNome: Você está achando que merece essa dor, mas não merece. Não foi culpa sua, o Jack estava errado.
Eu: Eu sei. Não acredito que tenha sido a vida do Frank pela minha. -respondi firme por fora e sentindo tudo desmoronar por dentro. -Agora é questão de honra. Ele mexeu com todos, todos da equipe.
SeuNome: Eu sei que é difícil, mas tenta relaxar um pouco. -riu sem humor para si mesma. -É só uma fase ruim, nada vai acontecer, vamos ficar bem. -parecia até que ela queria se convencer, ao invés de mim pela maneira que falava.
Eu: Hum. -ri de volta.
SeuNome: Além do mais, você sabe que vamos pega-los. 

SeuNome deu um sorriso tão psicopata ao dizer aquilo, que droga, me excitou, admito. Em seguida briguei com ela algumas vezes por ter me machucado. SeuNome segurava a risada, para não dar o braço a torcer. Colocou um curativo em um corte no meu rosto. Senti sua cabeça virar para o meu lado e desviei meus olhos para os seus. Esse comportamento nosso já estava virando padrão. 

Eu: Tem alguma coisa errada acontecendo, entende? -eu simplesmente não conseguia parar de pensar sobre isso. 
SeuNome: Eu falei pra você relaxar imbecil! -quase gritou.
Eu: Nossa, você tá selvagem!- a fiz rir fraco. -É que, sabe, parece que quanto mais nós vamos pra frente mais alguém nos joga pra trás. -ela me analisou.
SeuNome: Como?
Eu: Não sei, não consigo entender. Eu acho que tem alguém passando informações.
SeuNome: Uhm, um traíra? -pediu- Mas quem?
Eu: Eu não sei, talvez eu esteja enlouquecendo e imaginando coisas mas todas essas perseguições, esses capangas nos seguindo, os tiroteios e agora esse sequestro. Como podem adivinhar onde eu estava e na hora perfeita para atacarem? Como podem saber coisas particulares sobre nós? O que nós sabemos?
SeuNome: Jack me falou que você foi encontrar uma mulher, não acha que ela pode ter...? -deixou a frase morrer no ar.
Eu: Não, eu conheço a Emma, além do mais ela não ganharia nada com isso. Eu acho. Ela está do meu lado, até pediu a minha ajuda para uma coisa. 
SeuNome: Aham, é claro que pediu. -apertou forte um ralado da minha testa. -E você ainda se fodeu todo por ter ido até lá encontra-la. -apertou outra vez. 
Eu: Ai porra! 
SeuNome: Igual a Piper que saía daqui enquanto eu entrava, não é? Ela também devia estar te pedindo uma coisa e eu sei bem o que é. Qual seu problema com essas vadias?
Eu: Escuta, vadia ou não, a Piper é da minha equipe e eu não quero que nada de ruim aconteça com ela assim como aconteceu com o Frank. -ela tinha se afastado de mim, um tanto nervosa. -O que elas queriam não te diz respeito. Pelo menos eu não escondo coisas de você!
SeuNome: Mas você nem me deixou explicar porque eu fiz aquilo! Eu ia te contar do meu pai. 
Eu: Algumas coisas na vida não dá pra explicar, SeuApelido! -Eu não tinha medo do pai dela, mas simplesmente não podia subestimar alguém que eu nem conhecia e com habilidades que ele devia ter. Essas situações podem acontecer na vida real, especialmente esses agentes especiais, com treinamentos além da nossa imaginação. São verdadeiras máquinas humanas e um cara desse é que estava atrás da filha metida com crime. Era pra mim pensar que isso ia acabar bem? 
SeuNome: Eu tive motivos, não achei que ia chegar a isso, eu estava com medo e não queria voltar a ter uma vida normal, você nunca sentiu medo?!
Eu: MAS EU ESTAVA DO SEU LADO! -gritei quase histérico. -EU ESTIVE AQUI MERDA, EU SEMPRE ESTIVE AQUI!
SeuNome: Você...não entenderia. 
Eu: ENTÃO ME FAZ ENTENDER! -ele colocou as mãos nos meus ombros e começou a me sacudir. -ME DIZ POR QUE VOCÊ NUNCA ME DEU UMA EXPLICAÇÃO, ME DIZ POR QUE VOCÊ FOI TÃO ESTÚPIDA! 
SeuNome: ME SOLTA! -gritou tentando se afastar e percebi a merda que estava fazendo. Soltei-a quase que em câmera lenta lhe deixando passar. -Eu tenho que ir Zayn. -se virou em direção a porta e instantaneamente engoli meu orgulho.
Eu: Espera, SeuNome! -puxei seu pulso e ela não gostou, tentou me afastar mas segurei seu outro pulso mantendo nossos braços cruzados um no outro. 
SeuNome: Me deixa ir! -pediu ridiculamente chorosa, era como se ela estivesse prestes a chorar e eu odiava ver a minha garota chorando.
Eu: Não, eu não...eu não posso!
SeuNome: Eu não...
Eu: Você não tem escolha. -sussurrei. -Eu nunca mais vou deixar você ir. -esperei a resposta dela. Ouvi sua saliva sendo engolida de forma rápida, e um suspiro logo depois. Uma das mascaras mais conhecidas da mentira. Aliás, o que seria de um bom mentiroso se não soubesse detectar mentiras facilmente? Meu olhar cansado estava preso nos dela, até ouvir sua risadinha irritante de ironia.
SeuNome: Eu já ouvi isso antes. Nem pensar, não.

O "não" com gosto de "sim". Isso não pode ficar melhor! Se era a porta a direção que ela queria seguir, então assim seja. A empurrei até a mesma força, prensando meu corpo contra o seu com mais força ainda. Seu beijo gritava, era como um pedido de socorro. Por mais puto da vida que eu estivesse com ela, não iria deixa-la ir embora, porque no meio de todo mundo ela era a minha única calmaria, minha inocência, ingenuidade. Meu rosto estava inchado, eu estava tão fraco. Mas então me senti forte o suficiente para me entregar completamente á aquele momento. O prazer me dominava aos poucos, me fortalecia. Quando o ar nos faltou, minha língua deslizou por seu pescoço deixando meu rastro, querendo dominar todo canto de pele exposta e depois as partes não expostas -se é que me entendem-, que a garota a minha frente possuía.


SeuNome P.O.V's

Era como se eu tivesse sido acordada, me sentia mais sensível a cada toque. Ele me pressionava, eu afastava, provocando e lhe causando irritação. Suas mãos apertavam com brutalidade minhas coxas e quadril, eu gemia me sentindo descontrolada, suas juntas estavam pálidas e eu podia sentir seus ossos tremendo com a proximidade. Estávamos quentes como se estivéssemos com febre, o calor era insuportável. Eu só queria que ele me fodesse naquele exato momento, só assim conseguiria extravasar toda minha raiva. Agarrei-me em seu corpo, e afundei minha cabeça em seu pescoço. Seus dedos roçavam levemente minha entrada, não deixando barato minha provocação. Ofeguei em seu ouvido e ele aumentou a velocidade esfregando mais forte, o prazer corria em minhas veias como choques. Meus olhos estavam fortemente fechados e meu rosto colado em seu pescoço. Aproveitei e dei pequenas mordidas. Deslizei minhas mãos em seu cabelo banhado a ônix. Era macio. Ele subiu as mãos até meus cabelos, e os puxou, fazendo-me largar de seu pescoço, e me beijou novamente. Seus lábios quentes e macios em ação me impediam até mesmo de raciocinar, e com certeza os meus estavam extremamente inchados. Suas mãos fortes me surpreenderam ao me tirarem do chão, Zayn caminhou afobado comigo no colo nos conduzindo até a cama, onde me soltou. Ele se livrou do botão da minha calça e abaixou o zíper, tirando a peça inteira na mesma rapidez que tirei a blusa. 
Zayn: SeuNome, eu... -começou a dizer ofegante. 
Ei: Cala a boca. -mandei. Subi em cima dele sentando em seu colo de pernas abertas, ele me prendia com força contra seu corpo, agarrei sua nuca mordendo seus lábios e arranhando com brutalidade suas costas arrancando-lhe suspiros. Sentia junto a minha entrada que sua calça já não cabia mais de tanto tensão, minhas mãos se desesperaram em me livrar dela. Tirei sua calça revelando a cueca boxer por que quase estava babando antes, era óbvio que eu precisava de ar depois de ver sua ereção. Mesmo trêmula, distribui beijos e mordidas em seu pescoço e ombro o fazendo suspirar enquanto balançava mais forte em seu colo. Com agressividade Zayn puxou minha calcinha, o estalo dela se rasgando me fez ter um colapso de excitação. Ele apertou meus seios, um de cada vez por cima do sutiã e em seguida o tirou. Sua boca já sugava minha pele devagar até embaixo, da barriga até chegar no meio das minhas pernas. Arfei. O som que sua boca causava me fez gemer em resposta, é o mais quente que já ouvi, as mãos cravam minhas coxas ao mesmo tempo, mas a dor é maravilhosa. Sua língua brincava no meio das minhas pernas, de baixo para cima. Eu fui desfalecendo aos poucos, ele respirou fundo e soltou o ar em meu ponto de prazer. Era quente, muito quente, fez meu corpo estremecer. Abriu mais minha intimidade com os dedos e com a outra mão, apertou meu clitóris. Zayn intensificou as investidas me lambendo e masturbando, para logo eu perceber que ele gozou apenas com isso. Era como se eu quisesse que ele parasse, mas ao mesmo tempo não.
Zayn: Você é deliciosa. -murmurou entorpecido. O que me deixava mais excitada ainda, era o quão devagar ele fazia isso. Levei minhas mãos aos cabelos, e puxei.
Eu: Zayn... -gemi alto. Então senti a explosão. Gritei, contorci-me. Ele lambeu os meus seios o tanto que quis: primeiro o esquerdo indo para o direito. No direito eu enlouquecia mais ainda. Então, eu, completamente tomada por desejos irreconhecíveis, agarrei-lhe pelos cabelos. Seu corpo veio para cima do meu se ajeitando melhor na cama, se me perguntassem na hora eu provavelmente teria respondido berrando obscenidades, mas parecia que a nova posição deixava a cabecinha de seu membro exatamente em cima do meu ponto sensível. Sem pensar duas vezes, chupei seu membro grosso e ereto. Estava indo devagar, até ele empurrar minha cabeça em uma velocidade muito rápida.
Zayn: Oh SeuNome. -ouvi-o gemer mordendo os lábios. Explorei toda a sua extensão, brincando com sua sanidade. -Por que você faz isso? -reclamou ele, se sentindo torturado. Ri de seu desespero e abocanhei seu membro por completo, era impossível coloca-lo todo na boca mas a sensação de subir e descer era maravilhosa. Ele não ia aguentar muito tempo, estava prestes a chegar em seu ápice e seus gemidos cada vez mais altos deixavam isso bem claro pra mim. Antes que pudesse concluir esse pensamento um jato de porra explodiu na minha boca quase me fazendo engasgar, mas me recuperei rapidamente do susto repentino e acabei engolindo cada gota. Ele estava suado, os fios dos cabelos grudavam na testa. Seus braços me puxaram, e esticou o braço até a gaveta do criado-mudo, onde sabia que ficavam as camisinhas. Pegou uma rapidamente, abrindo o pacote e colocando em si mesmo. Ele se posicionou na minha entrada e foi entrando e saindo devagarzinho, me torturando aos poucos até o ponto em que nem ele mesmo podia se conter mais, abracei sua cintura com as minhas pernas chocando nossos quadris. O fogo crepitava sob a minha pele, senti tanta falta daquilo, de tê-lo dentro de mim. Eu estava ofegante, girando meus quadris sem nenhuma vergonha, aumentando a pressão de seu membro, ele apertava minha bunda ajudando-me a me mover mais rápido. Sentia-me alargando para suporta-lo, minha intimidade a qual ele surrava com prazer me fazendo perder totalmente as estribeiras. Meus gemidos se transformavam em gritos e eu o arranhava de tal maneira que sabia que seus machucados iriam piorar depois. Zayn girou o corpo, ficando por cima do meu, dominando a situação e investindo pesado dentro de mim, tocando em lugares ainda desconhecidos por mim mesma e simplesmente estava anestesiada pela sensação que isso causava. O ronco da cama de madeira começou a soar mais alto.
As entocadas cada vez mais rápidas e fundo já estavam acabando comigo, ele procurava meus lábios e me beijava sem pudor. Eu estava chegando novamente no meu máximo, até que explodi, sentindo uns espasmos enfraquecerem minhas pernas. Não havia droga melhor, do que aquele êxtase que me atravessava naquele momento. Quando ele atingiu seu ápice, aos poucos sua expressão foi se aliviando e em pouco tempo já via um sorriso idiota presente em seus lábios.

Zayn: Sempre me disseram que sexo de reconciliação era bom, mas nunca imaginei que era...assim. -foi tudo que disse quando voltou a respirar normalmente me olhando de lado. Eu ri e olhei-o bem. Zayn era incrível, o homem mais fascinante que eu já conheci.
Eu: Bom, e agora, você está um pouco melhor? -lembrei da minha pergunta de antes e ele riu.
Zayn: Melhor, com certeza. -ele continuava com a mão direita na minha entrada e a esquerda em meus seios como se fossem seus para sempre. Beijei sua tatuagem de boca com asas e subi para sua boca, lhe dando um beijo calmo e apaixonado. -Você é a única que sabe acabar comigo, e também a única que pode me fortalecer.
Eu: Zayn, eu...
Zayn: Não é só isso, você precisa calar essa boca e esperar eu terminar de falar.
Eu: Você também faz isso droga! Sempre me interrompe.
Zayn: Obviamente é porque você é intrometida e prepotente.
Eu: Cala essa boca!
Zayn: Tenta me obrigar! -disse malicioso passando a língua entre os lábios e saquei sua arma do lado da cama, a apontando para sua cabeça, encostando-a em meio aos seus olhos. Zayn ficou paralisado. - O que? Vai me matar? -riu nervosamente- Vai em frente, me mate princesa. - e eu gargalhei vendo a sua cara, sem conseguir me controlar. -Ah sua moleca! -pulou em cima de mim, acompanhando minha risada e tirando aquilo das minhas mãos. -Agora você vai ver, vai aprender a nunca mais me assustar desse jeito...
Eu: SAI DE CIMA SEU GORDO.
Zayn: Não tenho culpa se o meu pênis tem quase dez quilos. -explodi em risadas, ele segurava meus braços juntos a ele, eu podia ficar naquele clima pra sempre. Quando para a minha raiva, ódio, e todas as coisas ruins que existem no mundo um celular começou a tocar freneticamente, me deixando irritada. Zayn se levantou com aquela perdição de corpo e foi atender. Eu fiquei esperando por alguns minutos, me cobrindo com o lençol até que ele voltasse já se vestindo e falando. -Tenho que sair, é urgente.
Eu: Achei que íamos dormir. O dia foi longo.
Zayn: É, eu sei. Mas como eu disse, tem que ser agora.
Eu: Se você estiver indo encontrar aquela vagabunda outra vez, eu juro que...-ele riu.
Zayn: Não, basicamente eu tenho que eliminar alguém antes do que pensei porque já está dando problema.
Eu: Tá, entendi. -disse indiferente. -Então vamos encontra-lo e matar.
Zayn: Nós dois juntos?
Eu: E por que não? Você adora um jogo, certo? Adora esconde esconde e eu tiro no alvo. Iremos atrás dessa pessoa, a encontramos, e quem apagar primeiro ganha. -me levantei nua antes mesmo que ele pudesse responder.

CONTINUA...
SeuNome tá que tá hein. 
Amores, tive que dividir esse capítulo em dois por falta de tempo. Mais tarde posto a continuação. Obrigada a Cams pela capa! Amei! ;)

16 comentários:

  1. PUTA Q PARIU, ESSA CENA FOI CLÁSSICA
    "Eu: Cala essa boca!
    Zayn: Tenta me obrigar! -disse malicioso passando a língua entre os lábios e saquei sua arma do lado da cama, a apontando para sua cabeça, encostando-a em meio aos seus olhos. Zayn ficou paralisado. - O que? Vai me matar? -riu nervosamente- Vai em frente, me mate princesa. - e eu gargalhei vendo a sua cara, sem conseguir me controlar. -Ah sua moleca! -pulou em cima de mim, acompanhando minha risada e tirando aquilo das minhas mãos. -Agora você vai ver, vai aprender a nunca mais me assustar desse jeito...
    Eu: SAI DE CIMA SEU GORDO."
    Esse HOT foi de matar! Amo\sou seus hots! maravilhosos!
    Piper como sempre uma vadia, suja e como sempre carente
    SN e Zayn são tão fodas, eles são perfeitos
    Fiquei morrendo de pena da Debs :c pecado
    COITADO DO FRANK, RIP FRANK, MEU PALHACINHO
    JURO PELOS DEUSES QUE IMAGINO TUDO COMO UM FILME, SÉRIE SLÁ. PERFEITO! TUDO EXPLICADINHO, FIQUEI COMPLETAMENTE SEM FALA NA MAIORIA DAS CENAS
    ALGUMAS COISAS EU FICO TIPO: :O OMGS
    SÓ HOLLYWOOD MSM PRA ADAPTAR BADBOY OF' MINE PQ PQP
    CONTINUA PLDD
    QUERO VER ESSES DOIS DETONANDO

    ResponderExcluir
  2. não tenho o que falar, CARALHOOOOOOOOOOO para com isso, mentira não para nunca. Eu amo essa fanfic Oh God <3

    ResponderExcluir
  3. OH LORDE!!!!!VC MANDOU MUUUUUIIIIITTTOOO BEM EU ESTOU FALTANDO TER UM INFARTO LIMDA QUE CAPÍTULO EM (foi d+amei❤ ) EU E MINHAS AMINHAS PIRAMOS...CARA VC PRECISA SER CONHECIDA POR QUE VC E D+ INVESTIR É O QUE EU TENHO A DIZER P/VC (pf investidores o talento esta aqui o👍)SE VC FOR ESCRITORA (ñ só eu mais tenho certeza quem muitos que lêem sua fic querem isso,eu quero🙏)VC VAI SE DAR MUUUUIIITTTOOO BEMM É SÓ QUERER LINDA PARABÉNS 😤!!!
    XX:Ana ❤👄 (sou apaixonada 😍 por essa fic)

    ResponderExcluir
  4. CONTINUAAAA Xx 💪💝

    ResponderExcluir
  5. Esse fic é maravilhoso, você é inspiradora liz, talentosa, inteligente, dedicada e incrivelmente maravilhosa eu tinha que te dizer isso. Queria que fosse um livro!

    ResponderExcluir
  6. Aiiin to xonada na fic continua amr 💝🎀

    ResponderExcluir
  7. Continuaaa o mais rapido q puder kkk 👏👑

    ResponderExcluir
  8. 😂Continua molier💗💗💓💚💜❤

    ResponderExcluir
  9. Continua, vai posta logoo !! ♥♥

    ResponderExcluir
  10. Continua amr 😍
    Ta simplismente pft 💗💎

    ResponderExcluir
  11. Melhor fanfic ☺😍

    ResponderExcluir
  12. Gente ,Melhor fic do para mim ,sou leitora nova !
    Quase morrendo aqui ,pelo o amor de Deus estou amando os seus HOTs e espera a continuacao logo !!!

    ResponderExcluir