Badboy of' Mine - Capítulo 30

| | |

- DAMN PSYCHO

Minha sombra é a única coisa que anda ao meu lado. As vezes eu desejo que alguém lá fora me encontre. Até isso acontecer, eu ando só.  -Boulevard of broken dreams

SeuNome P.O.V's

Arrisquei um passo a frente ignorando aquelas palavras e a mulher fez o mesmo rapidamente me impedindo de passar por ela. Aquilo me assustou, mas eu não estava receosa. Algo de intuitivo na minha cabeça dizia que eu estava me arriscando demais, mas talvez fosse o álcool que não me deixasse sentir medo algum daqueles dois, que me encaravam ambos como lobos famintos. Tentei passar pela morena uma segunda vez, sem sucesso. Meus olhos foram parar no homem que ficava de guarda na porta. Algo graças a Deus me fez parar de tentar, quando pensei que um dos dois poderia ter uma arma ou algo assim.

Eu: Quem é você?-pedi o que mais atormentava minha minha mente nos últimos segundos.
XX: Você costuma enfrentar desconhecidos assim ou só quando está muito alterada?-sua voz era baixa arrastada e bem feminina. A encarava firme, mas sem responder. -Seria bom fazer essa pergunta a si mesma, não? Ainda sabe quem é? -se aproximou- Provavelmente você está indo mais na do outros ultimamente...
Eu: Seja quem for, você não me intima. -tentei parecer confiante embora soubesse que mal me aguentava de pé, escondendo que o temor que me ocorreu só de pensar que aquela estranha provavelmente havia me vigiado. -Já esperava ser abordada mais cedo ou mais tarde.
XX: Olha só, que corajosa. -puxou uma mecha do meu cabelo. -Deve ser por isso que ele é tão louco por você. -riu sarcástica largando a madeixa que segurava. -Mas não faça essa cara pra mim, com certeza não é tão segura assim meu bem, dá pra ver nos seus olhos
Eu: Você não faz ideia de quem eu sou. -mesmo com a cabeça rodando, me esforcei para não dizer nada que me fizesse parecer ingênua. -Mas saiba que não caio na conversa e fofoca de estranhos. Acho melhor me dizer logo quem é.
XX: Sabe, eu até simpatizo muito com você e sua carinha de boa garota. E sua...situação. -afirmou cautelosamente. -Deixe eu adivinhar, foi sequestrada e aí se apaixonou?
Eu: Na verdade eu escolhi estar aqui, não que seja da sua conta. Se me dá licença...-tentei passar pisando firme e o homem levantou um centímetro da blusa, deixando a perceber uma calibre prata enterrada no jeans. Exatamente como eu esperava, merda.
XXX: Você vai sair quando eu disser que vai. -ele proferiu ríspido. Meu olhar se voltou para ela novamente.
Eu: Se pretende fazer algo comigo acho que deve saber que vão atrás de você na mesma hora.
XX: Você está muito tonta para me ameaçar, querida. -meus olhos curiosos avaliavam seu rosto. -Mas se me permite, vou te alertar sobre o jogo em que está e para falar bem a verdade durou mais tempo do que eu esperava já que as coisas com o Malik são meio perturbadas. Mas você sabe, certo? Talvez não tudo, mas sabe que quando se trata dele as coisas parece ir de água para o vinho sendo na verdade só estão afundando cada vez mais. Seus jogos, suas mentiras, seus sistemas podres...O desgraçado é perigoso e você é só mais uma pobre iludida, cheia de princípios.
Eu: Não tem nada sobre ele que está dizendo que eu já não saiba.
XX: Para ser sincera eu acho que tem sim. -riu falsamente doce. -Acha mesmo que ele não esconderia nada de você? Pense bem. -ela parecia sentir um prazer sádico naquilo, assim como o cara de guarda ouvindo. Eu não podia parecer curiosa, não podia. -Você é o que além de amante? Capanga, braço direto?-seu tom era desafiador- Você não sabia? Malik já até enganou a alguns anos em uma trapaça um dos maiores chefes da maldita mafia de trafico de narcóticos.
Eu: Você está envolvida nas invasões...-me dei conta, essa cena toda só podia ser mais uma parte do intimidamento. Ela sorriu, bem convincente enquanto eu estava atônita. -Por que estão fazendo isso, o que querem?
XX: É obvio que acham que mandam aqui e ninguém se mete com vocês mas, agora sabe que as coisas começaram a mudar. -senti como se minha cabeça queimasse com a informação. -E talvez seja uma boa hora para desistir.
Eu: Me diga logo o que vocês querem. -seu semblante não transparecia nada. -Só quero que isso termine, As invasões, os atentados...
XX: Não. Você finge que quer. Para ser forte, para enganar a si mesma, para não ser só uma submissa de um vagabundo com algumas cartas na manga, mas admita, esse joguinho de estar em perigo é o que mais te atrai por uma simples razão. Você é uma tola apaixonada por ele e essa é a melhor aventura da sua vidinha patética.
Eu: Chega. -a fiz se calar e me encarar com a sobrancelha arqueada. -Se voltar á aquela mansão em mais um atentado sequer e eu te vir, não vou hesitar em atirar na sua cara.
XX: Uh, mais ameaças. -zombou. -Você de fato está se tornando uma criminosa, SeuNome. -proferiu com desdém. -Defenda-o. Afinal, quem não ama uma causa perdida não é?

A estudei com o olhar e ela se afastou me dando espaço para finalmente passar, assim como o cara que soltou a porta e várias pessoas que reclamavam tentando entrar o fizeram. Saí dali quase que mais acordada depois de ouvir mais um último comentário ao longe misturada com as novas conversas no banheiro, "Não diga que ninguém lhe avisou". Tropecei pela boate que fervia até alcançar a mesa onde todo mundo ainda estava se embebedando e conversando como se enquanto eu estava no banheiro o tempo tivesse parado. Estava meio anestesiada demais para conseguir refazer a conversa na minha mente mas as risadas logo me tiraram dos devaneios e Logan puxou meu braço para que eu me sentasse. Alguns minutos depois sem participar da conversa animada de bêbados, Zayn apareceu na mesa e seus olhos castanhos queimavam de um modo diferente do habitual, como sempre eu não tinha a mínima ideia do que poderia estar passando em sua mente. Logo em seguida Piper completamente tonta sugeriu irmos embora e eu fui a primeira a concordar depois de uma das as luzes da boate quase me cegar pela milésima vez.
                  Ao finalmente chegar em casa eu sentia que o caminho tinha sido mais longo que o normal, tudo parecia ainda mais cansativo quando eu pensava. Fui uma das primeiras a subir as escadas, exausta e já tirando os sapatos na porta do quarto. Não suportaria dormir naquele estado e sem um banho, então ao entrar na suite já fui me despindo e ligando o chuveiro que me relaxava só ao ouvir o barulho. No box me concentrei em tentar não dormir já que aquele desgaste de dias estava se transformando em uma carga de sono reconfortante.
Pouco tempo depois eu mal prestei atenção em que momento se separaram os atos de deitar sob o travesseiro e a escuridão intensa me invadir.

                  [...] Piscando freneticamente, abri os olhos percebendo que meu quarto estava completamente escuro. Talvez tivesse tido um pesadelo mas não me lembrava bem. Comecei a me perguntar se eu tinha acordado no meio da madrugada ou depois de vários dias, não conseguia ter certeza. Ergui a cabeça quase que em câmera lenta para evitar mais pontadas do que eu já sentia mas o efeito foi contrário me causando uma dor dos diabos.
Seja lá que dia fosse, eu com certeza daria tudo para passa-lo debaixo dos cobertores até que aquela ressaca passasse de vez. Tentei alcançar meu celular na cabeceira sofisticada ao lado da cama e o relógio marcava quase três da manhã, um dia depois do que adormeci. Ainda me sentia cansada mas aos poucos que a conversa com aquela morena estranha no banheiro da boate foi voltando a minha memória, não consegui recuperar o sono. Rolei na cama de um lado para outro com receio de levantar e fiquei assim por um bom tempo.
Estava tão entretida recapitulando as palavras da garota pouco mais velha que eu que mal prestei atenção quando a porta se abriu deixando que uma fenda de luz do corredor iluminasse parte do piso e Zayn adentrasse meu quarto depois de perceber que eu estava acordada. Eu não soube exatamente o que dizer ao vê-lo ali, então apenas assisti enquanto acendia a luz e em seguida se aproximava da cama sem tirar os olhos de mim.

Zayn: Está se sentindo bem?
Eu: Estou, por que? -ele me encarou duvidoso.
Zayn: Por nada. -suspirou. -Mas...você dormiu praticamente 24 horas e achei que talvez estivesse...
Eu: Fiquei inconsciente por todo esse tempo e ninguém me acordou?
Zayn: Achei que era melhor você descansar, esses dias foram pesados. -sua voz estava diferente, eu sabia que queria chegar em algum lugar só pelo seu tom. -Tem mesmo certeza de que está bem?
Eu: Se quer dizer alguma coisa por favor diga logo.
Zayn: Só quero ajudar, babe. -nossos olhares se nivelaram, ele estava me manipulando? -Se quiser ajuda para qualquer coisa, sabe que pode contar comigo, não sabe?
Eu: Sei, eu só...ainda estou de ressaca. -um lado meu queria contar a ele, mas outro não sabia se devia. De alguma forma, escolhi decidir por esse. Tinha que me manter calma e relaxada, eu não podia dar bandeira agora. -Não há nada que possa ajudar. -disse firme e Zayn puxou meu cobertor num gesto violento.
Zayn: QUAL É A PORRA DO SEU PROBLEMA?-disparou. -Custava ter aberto a boca em qualquer momento para me contar que uma vagabunda te prendeu no banheiro? Sem falar no cara da merda do Martini te ameaçando, você tá achando que isso é brincadeira?!
Eu: Como você...?
Zayn: A Piper me contou. Ela estava na porta do banheiro e ouviu tudo, me falou quase que segundos antes de você voltar, então não pude ir até lá acabar com a festinha. -sua ironia era ácida. -Já sabia que tentariam te intimidar mas não esperava que fosse tão cedo.
Eu: Você realmente acha que pode impedir tudo de ruim que acontece usando uma ação pior, não acha? Eu ia dar um jeito sozinha, estava tudo sob controle!
Zayn: Não foi isso que eu soube. -retrucou- Você estava completamente bêbada e mal parava de pé, para te fazerem algum mal era daqui pra ali, então não me venha com essa. Não duvido nada que havia alguma droga naquela maldita bebida.
Eu: Você estava lá, podia ter me alertado em vez ficar fazendo aquelas caras de provocação!
Zayn: Eu também não estava sóbrio, será que você não sabe o que é certo e errado porra?! -alterou a voz. Eu não queria ter mentido mas mal tive tempo de contar ou pensar sobre aquilo. Não sei porque pensei que podia resolver aquilo tudo sozinha. Agora mais calmo, ele lambeu os lábios antes de continuar. -SeuNome, o que te disseram? Eles mencionaram um nome, o nome do chefe da gangue ou...?-por mais que tentasse, agora sua preocupação transbordava facilmente na voz e em seu semblante.
Eu: Não, ela nem sequer me disse o nome. -levantei meu corpo da cama, ficando a sua frente. -Escuta, eu sei que...-minha voz foi interrompida por um barulho alto que ecoou em uma das paredes, pela porta aberta atrás de Zayn vi Jack com uma arma correndo pelo corredor enquanto a voz de Piper soava alta acordando Débora. Ah não. Não novamente. Percebi o mesmo olhar em Zayn, antes que ele quase corresse até a porta.
Zayn: Conversamos depois, você fica. Não saia do quarto.
Eu: Tá brincando né?-peguei minha arma em uma das gavetas e o segui até a porta quando em um movimento rápido Zayn se virou me colocando bruscamente em suas costas e caminhou de volta para cama antes de jogar meu corpo ali de uma vez só.
Zayn: Eu já disse que você não vai a lugar nenhum. -Trinquei os dentes me levantando para alcança-lo mas a porta acabava de bater após ouvir mais um de seus comentários idiotas "Não precisa agradecer". Ouvi o barulho do clique da chave na fechadura e comecei a bater insistentemente naquela porta.
Eu: ME DEIXA SAIR AGORA IMBECIL!

Quem ele pensava que era para me trancar em um quarto enquanto a mansão estava sendo invadida? Isso já estava indo longe demais, sentia que mal conseguia acompanhar. Eu podia muito bem me defender e ele sabia disso, não sei porque lhe faltava tanta fé em mim numa hora como aquela. Maldito psicótico.
Ouvi atrás da porta uma respiração ofegante e chamei por Zayn, sendo que tinha quase certeza de que não era ele. Olhei pelo buraco na fechadura e Frank estava ali, com certeza de guarda para que eu não saísse.

Eu: Frank me deixa sair, por favor. -sussurrei meio desesperada.
Frank: Eu queria poder deixar, SeuNome, -respondeu do outro lado.
Eu: Não faz isso comigo!
Frank: Shh!-ele bateu duas vezes seguidas na madeira. Provavelmente tentava ouvir o que estava acontecendo em outro cômodo mas não podia sair dali. Bufei e me afastei da porta já farta daquilo, indo até a cama onde estava a arma que Danny me deu. A peguei e engatilhei perto o bastante para que Frank pudesse ouvir.
Eu: Abre a porta agora, ultima chance. Estou armada. -meu coração batia descontroladamente dentro de mim.
Frank: SeuNome, olha o que você vai fazer!-tentou alertar- Só vai piorar ainda mais as coisas, espera aí dentro.
Eu: Piper e Deb foram, não vou ficar trancada nesse quarto! Abre ou eu vou atirar, Frank.
Frank: É, mas nenhuma delas é a garota dele. -disse alto. -Faz o que o Zayn pediu e solta essa arma, senão você vai foder com a minha vida!
Eu: Chega, se afasta da porta.
Frank: SeuN...-ignorei mais um de seus comentários e apertei enfim o gatilho, disparando dois tiros seguidos que fizeram minhas pernas tremeram de leve por causa do impacto.

Larguei aquela coisa e fui girar a maçaneta quebrada da porta, ótimo, agora que não vou mesmo ter privacidade depois dessa. Zayn sendo um babaca não me dá muita escolha.

Frank: Não acredito que fez isso. -ele estava em uma pose até engraçada colado na parede do corredor e me olhando surpreso.
Eu: Vocês sabem que me subestimam. -ele riu nervosamente.
Frank: Ele vai me matar se você for lá. -me distanciei sem lhe dar ouvidos. -SeuNome, fica aqui em cima!

Desci as escadas quase correndo sentindo minha pulsação elevada, o barulho da agitação não estava mais presente no ar como antes, a casa estava quase silenciosa no primeiro andar tal como no segundo. A não ser por...ruídos que atravessavam as paredes finas e mais pareciam gritos que vinham do porão e eu acabava de perceber ao me aproximar da sala de jogos. Segui o som do barulho até que Logan que saia do porão esbarrou comigo que me preparava para entrar e mal me olhou ou falou algo com a pressa em que estava. Os gritos estavam mais altos e agora as vozes também mais claras em palavras no momento em que parei na porta tentando entender o que estava acontecendo. Jack dava forças verbalmente para Zayn fazer algo e me assustei ao ver quase que na minha frente a cabeça de um cara moreno ser chocada contra a parede e as mãos de Zayn segurarem mais forte seu colarinho. Meu Deus. Aquele era o cara do banheiro...?

Ele: Eu juro que não queria, só estava fazendo o que me mandaram!-suspirou ofegante, provavelmente estava apanhando a alguns minutos. Havia outra garota, uma loira com roupas de grife amarrada em um canto do porão, Danny mantinha o cano de sua arma alinhado a cabeça dela, cuidando para que não se mexesse mais que o necessário.
Zayn: Cala a porra dessa sua boca que eu não vou arrebentar o meu pulso te enchendo de porrada!-o cara riu fraco cuspindo sangue.
Ele: Esse é o Zayn Malik de quem ouvi falar. -Zayn bateu sua cabeça na parede mais uma vez o colocando sentado em seguida em uma cadeira velha que puxou com a perna. Jack ajudou-o a amarra-lo.
Zayn: Escuta bem filho da puta, essa foi a última vez que a merda do seu pessoal invadiu essa mansão, acho até que fomos muito compreensivos até agora, não é? -Jack riu, ele e Danny concordaram. -É uma pena que o resto de vocês tenha fugido antes de criar vergonha na cara de vir bater um papo comigo pessoalmente.
Ele: Olha, eu só fui com a Gena naquela boate atrás da garota por ordens, mas...
Zayn: ADMITA O QUE VOCÊ FAZ DESGRAÇADO. -deu uma coronhada na cabeça dele o fazendo gemer alto de dor, eu me escondi melhor atrás da porta já receosa de que se aparecesse agora as coisas piorariam. -Por que você e aquela vagabunda não vem me dar drogas e me intimidar, hein? São covardes demais para ir direto no alvo, aí vocês dopam garotas?-arrancou mais sangue da boca dele com o metal da arma se chocando contra sua face diversas vezes. Dava para ver a revolta em cada golpe que Zayn praticava contra o homem.
Ele: Tudo...tudo bem, eu admito. Havia uma substancia proibida no país naquela bebida...-Jack se aproximou da cadeira com um taco de baseball nas mãos e o levantou no ar para acertar o cara.
XX: Espera!-gritou a garota loira. -Chega, por favor! Nos deixe em paz.
Danny: E quando foi que vocês nos deixaram em paz? Essa tormenta de atentados a qualquer momento, que merda vocês pretendem conseguir com isso?! Quem não está aguentando mais somos nós.
XX: Me desculpe!-chorava.
Danny: Cala essa boca antes que eu mate você. -a segurou mais firme.
Zayn: Então, já que argumenta tanto falando que tudo que fez foi por ser um pau mandado de algum mafioso filho da puta, devemos ter um nome, certo?-seu tom era autoritário. -Sim, com certeza temos um nome. Abre essa boca antes que eu mande costura-la.
Ele: Eu não posso, você não entende...
Zayn: Jack, o cara pelo jeito gostou da dor, mostra o seu melhor para ele. -Jack começou a acertar com o taco o moreno com vários golpes nos joelhos que o faziam gritar, depois nos braços e na barriga. O mesmo desesperado tentava se soltar mas quando Zayn lhe dava mais uma chance de falar, ele negava dizer um nome, e tudo começava outra vez. A loira chorava, já havia levado vários socos e eu já não aguentando mais ficar assistindo aquilo, adentrei o porão.
Jack: O que você...? -pararam de machucar o homem prestando atenção em mim.
Zayn: Porra, vou matar o Frank. -disse rispidamente parando na minha frente. -Volta lá pra cima como eu falei, por favor. -disse a ultima frase entre dentes.
Eu: Você não manda em nada.
Zayn: Para de ser teimosa cara! -a loira berrava depois de levar mais uma coronhada por não fazer silencio. -Solta essa vadia de uma vez! -Danny soltou os braços dela a empurrando até nós. -Eu realmente não queria ter que fazer isso. -tirou sua arma da cintura e pressionou contra a cabeça dela, engatilhando e a moça tremeu.
Eu: Zayn...-engoli em seco.
Zayn: Que tal você me contar o que eu quero saber, hein? -me ignorou e ela o encarou hesitante. -Pode ser sua passagem de volta.
XX: Como vou negociar com um trapaceiro e saber que vai...cumprir a sua parte?
Zayn: Acho que você vai ter que arriscar. -a olhava como se seu tempo estivesse se esgotando.
XX: Charlie. -soluçou. -Charlie Mitchell.
Zayn: Boa garota. -a empurrou de volta para Danny. -Leva essa vadia até a saída. -todos pareciam igualmente atordoados. -Trato é trato. -Eles saíram depois de olhar pela ultima vez o semblante confuso dela, parecia não saber se agradecia por sua vida ou pedia para morrer de uma vez por ter traído Charlie Mitchell. Puta merda, esse era o tal super perigoso de que o prefeito falou naquela noite na festa. Jack continuava a bater no cara que quase não aguentava mais e Zayn desistiu de tentar me colocar para fora pegando aquele taco da mão dele. -Sua última chance, quer conhecer o inferno agora ou vai esperar até que eu encontre todos vocês juntos?
Ele: Me mate logo seu desgraçado. -riu sem vida, cuspindo sangue.
Zayn: Bem que eu queria, mas preciso de você vivo para mandar meu recadinho ao meu velho conhecido. -sorriu como se estivesse no controle mas seu olhar denunciava o quão chateado ele estava. Os garotos o soltaram e ele caiu rapidamente no chão. Evitei de o encarar sem saber o que estava sentindo, se aquilo tinha nome ou se um dia iria conseguir esquecer aquela cena horrível que mesmo que eu tentasse não teria conseguido impedir. Não queria pensar se aqueles dois mereceram isso ou não embora eles tivessem nos feito sofrer por semanas.
Jack: Some logo daqui, e pense duas vezes antes de voltar. -o cara se levantou com muita dificuldade e Danny colocando a arma na cintura o acompanhou para fora dali.
Jack: Não acho que solta-los tenha sido uma boa ideia.
Zayn: Eles vão até o Mitchell, e vai por mim que terão que dar satisfações ao chefe. -sorriu triste. -Está tudo correndo de acordo. -Jack suspirou e bateu de leve no meu ombro antes de sair e deixar a porta entre aberta. Olhando em volta, para aquele chão sujo com poças de sangue em volta da cadeira me fazia sem querer recapitular aquilo tudo que aconteceu em tão pouco espaço de tempo, sem nem conseguir olhar para Zayn e eu sabia que se ele me dissesse algo eu provavelmente soltaria os cachorros de uma vez.
Zayn: Ei...-sua voz saiu falhada. -Não chora SeuNome, vai dar certo. Agora sabemos com quem estamos lidando.
Eu: Deixe eu adivinhar, você tem um plano!-ri irônica. -Fala sério comigo, você já tinha uma ideia de que a gangue era do tal Charlie, não é? E quando te perguntei aquele dia, você mentiu dizendo que ele não era ninguém importante.
Zayn: É, eu tinha uma ideia. -fungou balançando seu punho no ar provavelmente para anestesiar a dor.
Eu: Só...deixa as coisas claras pra mim de uma vez por todas. -lhe encarei sentindo meu rosto molhado.
Zayn: Resumindo?-pediu sarcástico e eu assenti. -Em 2012 o tráfico estava muito rigoroso em Las Vegas, exatamente como agora. Só que a diferença é que Charlie Mitchell liderava essa gangue que comandava boa parte de Vegas e nesse ano eu tinha feito um jogo de azar com ele, trapaceei e fugi. Mas não é só isso, o cara é muito mais complicado do que aparenta. Ele não só comanda seu trafico de narcóticos como também tem alguns prósperos negócios na Europa Ocidental com tráfico de mulheres. -deu uma pausa me analisando- Fiquei sabendo depois que a policia quase o pegou mas ele e a sua gangue conseguiram fugir e só prenderam alguns deles, muito poucos. Pelo visto, agora eles voltaram e querem a merda do território de volta, mas agora é a nossa vez. Logo eu, que já o enganei uma vez, estou pegando seu território agora e nem sabia disso. -riu sem humor- Se ele já me odiava antes, agora tem mais uma ótima razão para isso. -agora sim tudo se encaixava, fazia sentido.
Eu: Pelo visto não há mesmo outro jeito.
Zayn: Você não é obrigada a fazer nada, eu sim. -balancei a cabeça.
Eu: Você é o que? Um homem das cavernas por acaso, que me prende no quarto para poder lutar? Não aguento mais ter que te dizer a mesma coisa toda hora, eu estou aqui para ajudar!
Zayn: O que quer de mim? Que eu me desculpe por tentar manter a salvo uma maluca que brinca com o perigo sem parar e ainda quer ter moral?-mordi os lábios para segurar as lágrimas.
Eu: Eu que brinco com o perigo? A sua vida é essa merda!
Zayn: Bom, você pode se retirar a hora que quiser dela então. -passou por mim indo em direção a porta.


CONTINUA...
  Ask

10 comentários:

  1. Estava esperando DEMAIS por esse capitulo, já falei que amo essa fanfic? é eu AMO ESSA FANFIC. Achei que "eu" haha seria sequestrada ou algo do tipo, ia fica muito top, mas mesmo assim fico ÓTIMO, Parabéns Lizzy

    ResponderExcluir
  2. Qero o outro já agr. kk

    ResponderExcluir
  3. Uou essa ultima frase do Zayn

    ResponderExcluir
  4. Zayn, não faça isso. ç-ç /chora
    Esse capítulo ficou incrivelmente incrível -q

    ResponderExcluir
  5. continuaaaaa zayn tem que entende que "eu" amo ele e que estamos juntos nessa

    ResponderExcluir
  6. Amando demais, preciso da continuação! garota vc tem talento

    ResponderExcluir
  7. PELO AMOR DE DEUS N PARA DE ESCREVER N FAZ ISSO COMIGO!
    quando eu li a frase "Se quiser pode se retirar dela" meu coração disparou, eu comecei a chorar pracrl ( sou mto sensível) ZAYN NÃO FAZ ISSO COMIGO
    CONTINUA logo por favor
    ta mto perfeito pra vc parar
    vc escreve incrivelmente bem

    ResponderExcluir
  8. Segura esse porra de forninho! Menina que capítulo foi esse? Tenha piedade de mim, você me fodeu, essa cena da tortura me abalou, eu senti exatamente o que ela sentiu socorro.
    CONTINUA LOGO PLDD

    ResponderExcluir