Badboy of' Mine - Capítulo 19

| | |

- Eles não te entendem


SeuNome P.O.V's

Poderia dizer que aquele quarto, sem a menor dúvida, seria o melhor lugar daquela mansão na qual eu poderia ficar. E também provavelmente o lugar que eu passaria mais tempo nesse período que decidisse ficar nessa vida de loucura, ali pelo menos de porta fechada eu podia esquecer por algum tempo as pessoas que estavam lá fora, me afastar das encrencas, dos olhares maliciosos, da bebida e do espírito festeiro daquela gente mas por um lado eu estava feliz e estranhamente tranquila e isso eu tinha que admitir. Consegui com a Débora um headfone e um carregador de celular emprestado -por sorte ou coincidência nós tínhamos aparelhos iguais- depois que ela se acalmou do susto que foi o encontro relâmpago com o ex no banheiro, eu ainda queria rir ao lembrar da cena. Pelo visto ela era uma pessoa legal e mesmo que eu soubesse que não podia confiar em ninguém sentia que seríamos amigas. Já com a Piper...eu não sei, mas ela me parecia ser o oposto de garota que eu costumava conseguir fazer amizade. Decidi não pensar nisso e evitar julga-la sem realmente conhecer.
Fiquei em um clima tranquilo no quarto, ouvindo as músicas do meu celular e mesmo assim não deixava de pensar as vezes que era perturbador. Em meio a pensamentos e letras repetidas de música acabei pegando no sono e adormecendo pela primeira vez na minha nova cama.

Os toques repetitivos na madeira da porta começaram exatamente ás 22:32. Foi quando eu assustada com o barulho me levantei rapidamente e olhei o relógio tentando descobrir quanto tempo eu havia dormido. Abri a porta e Débora muito bem maquiada e arrumada num vestido preto e saltos da mesma cor sorria com uma expressão amigável, bem parecida com a de mais cedo.

Débora: Olha, todos já estão descendo, o Alex está ligando o carro.
Eu: Ué, mas para quê?
Débora: Vamos festejar, lembra? Eles acham que é uma comemoração. -riu. -E eu tenho que pegar alguns gatos. -piscou me fazendo rir.
Eu: Ah, é verdade. -bocejei. -Eu tinha esquecido completamente. E tudo bem, você pode dizer que quer fazer ciumes no Logan. -ela arregalou os olhos.
Débora: Nada disso, vizinha de quarto. Eu não me importo mais com ele e detalhe: Logan não vai, ele saiu sozinho a duas horas. Ainda bem, menos encrenca pra mim nessa casa.
Eu: Acha que ele desistiu do acordo? Por que os caras o trataram mal?
Débora; O melhor é: Não é dá minha conta!-riu animada e saiu pelo corredor, a vi pegar a escada e comecei a ouvir bem baixo os barulhos de conversas paralelas vindas do andar de baixo misturada a vários outros de coisas arrastando, gritinhos e entusiasmo. Senti meu estômago roncar, peguei meu celular no quarto já com a bateria cheia, apaguei a luz e desci as escadas tendo a visão de Frank e Jack na porta falando algo com a Piper e Débora, revirei os olhos atravessando a sala enquanto eles já na porta se preparavam para sair.
Frank: Ahm, você vem SeuNome?
Eu: Não, podem ir. -tentei sorrir mas tinha acabado de acordar e meu humor não estava legal.
Jack: Tem certeza? Podem ter canudos de pênis nessa boate. -ri.
Eu: Não estou em clima de balada, mas se divirtam. -ele deu de ombros e ouvi os passos cessarem assim que a porta principal se fechou. Logan tinha saído, talvez por sorte os outros também. Eu estava sozinha, e era estranho como ultimamente eu tenho apreciado mais isso.

Sentei no confortável, branco e macio sofá que aparentemente era novo assim como os outros móveis daquela casa, só de olhar me fazia imaginar quanta grana do dono daquilo gastou para deixar assim. Uma casa maravilhosa daquelas...e ser usada para esconder e vender drogas? Que loucura. Coloquei as mãos na cabeça mexendo no meu cabelo e ouvindo apenas o doce e maravilho silencio ensurdecedor.

- Acordou fugitiva?-alguém riu fazendo-me levantar a cabeça imediatamente em direção a bancada da cozinha. Algumas panelas caíram fazendo o maior barulho no momento em que eu me assustei e isso assustou Zayn que bateu nelas. Eu ri sem querer e percebi que ele estava mexendo algo na frigideira. Revirei os olhos mostrando irritação.
Eu: Merda, achei que estava sozinha. Está fazendo o que aqui?
Zayn: Wow, se mudou hoje pra cá e já está querendo mandar na casa do cara? Vai com calma SeuNome. -riu com certo bom humor. Esse maldito bipolar. -Respondendo sua pergunta, eu não estava afim de ir comemorar.
Eu: Mas mais cedo, er...você disse que era uma boa ideia...
Zayn: Mas não falei que eu ia em nenhum momento. -mexeu a frigideira, eu fiz uma cara de nojo. -Eu menti quando disse a eles que a mercadoria só ia chegar amanhã e que podiam sair, na verdade vai chegar hoje anoite. Falei aquilo porque não queria um monte de babacas atrapalhando na hora de receber as drogas.
Eu: Que bom amigo. -disse irônica e ele deu de ombros.
Zayn: Meus pais disseram que eu podia ser qualquer coisa, então virei um babaca. -fiquei o olhando por um tempo diante desse comentário mas não lhe disse o que estava pensando. Mudei de assunto.
Eu: Isso aí parece estar horrível. -apontei o a coisa que ele devia chamar de macarrão.
Zayn: Acabei fazendo o macarrão na frigideira mesmo, acho que esse fogão está com pouco gás mas se acabar...ah, aí foda-se. -ri diante da maneira engraçada na qual ele disse isso. -Achei que ia acordar com fome.
Eu: Ah é? O que te deu? Ataque de bom senso?
Zayn: Na verdade eu fumei uma coisa que eu achei no porão, acho que era sálvia. Cara, eu estou de bom humor. Nem você vai conseguir estragar. -o olhei meio perplexa. -Estou brincando.
Eu: Você tem um humor negro...
Zayn: É uma das melhores coisas em mim. -revirei os olhos. -Gostou do seu quarto?
Eu: Ele é ótimo. Mas onde você passou a tarde? Acho que não te vi. -ele sorriu para a panela.
Zayn: Transformei a extensão do porão em um estúdio novo.
Eu: Não acredito, já está querendo estragar essa casa no nosso primeiro dia aqui?
Zayn: Faço isso em todas as casas que moro. -ri sem humor. Zayn era idiota. -É bom ter para onde fugir de vez em quando.

Fiquei calada até Zayn terminar sua tentativa desastrosa de cozinhar e servir nossos pratos. O clima até estava meio tenso enquanto comíamos porque não tinha absolutamente nada que pudéssemos conversar. Estávamos ali, na mesma vida, na mesma casa e tecnicamente agora no mesmo serviço mas eu sabia que éramos o oposto. E lá no fundo, eu gostava disso.

Eu: Er...hum. Você tem que usar o celular na mesa?-disse a primeira coisa que veio na cabeça.
Zayn: E você tem que lembrar a minha mãe falando essas merdas?
Eu: Estúpido. -murmurei, garfando seu macarrão.
Zayn: Esquentada.
Eu: Ham!-sorri sem querer. -Até que esse macarrão não ficou tão ruim assim. Depois que isso tudo acabar você podia deixar de ser insolente e tentar conseguir um emprego descente. Tipo merendeira. -ouvi sua risada.
Zayn: Você fala de mim, mas me ama cara, me ama muito.
Eu: Amo nada, acho que você está confundindo ódio com isso.
Zayn: Se me odiasse tanto assim como diz, não teria aceitado esse acordo e passar ainda mais tempo comigo, o cara que destruiu sua vida. -disse como se tivesse orgulho daquilo. Ouvimos um barulho vindo lá de fora mais parecido como carro em pedra brita e nos levantamos no mesmo instante. -Deve ser a mercadoria. -ele foi até a porta a abrindo e nos dando a visão tranquila do jardim. Não havia ninguém ali ainda. Zayn fez um sinal com a cabeça e eu cruzei a sala me aproximando dele, acabamos por sentar ali mesmo no chão da varanda. -Vamos ficar aqui um pouco, é mais fácil de ver quando eles chegarem. -assenti. {n/a: Põe para tocar}

Ele parecia meio perdido olhando aquela rua cheio de casas e movimento, o oposto do lugar onde se escondia. Acabei me perdendo também naquela sua imagem tão mais serena do que estava acostumada e nem me dei conta que Zayn agora falava alto comigo.

Zayn: Espera, você estava com seu celular o tempo inteiro?! Tá brincando comigo?-pisquei vendo o aparelho nas minhas mãos. -Quando conseguiu sinal depois da festa podia ter ligado para casa, podia ter chamado a polícia, por que não fez isso?-disparou. -Você que é complicada.
Eu: Eu...-suspirei-, da mesma maneira que eu não quis ir quando você me liberou.
Zayn: Não. -ele parecia ler tudo nos meus olhos. -Você não foi por outra coisa. Você estava com medo.

Nós estávamos em silencio agora, brigando em uma guerra de olhares.

Eu: Eu não queria voltar. E ter que falar sobre o David com todos, eu precisava de um tempo para esquecer e se eu voltasse as pessoas, sua família e a minha estariam esperando com milhares de perguntas que eu não não estou preparada para responder. Eles nem devem saber o que está acontecendo.
Zayn: E o que está acontecendo?-me olhou confuso, talvez com um pingo de medo. Eu mais do que ninguém sabia que ele tinha.
Eu: Sabe, Zayn, as pessoas cometem loucuras quando estão desesperadas. -o encarei, com o olhar profundo e completamente sincero. -Você já quis desaparecer?
Zayn: Acho que sei o que quer dizer. -arrumou as pernas dobradas na frente de seu corpo ao meu lado. Ali estava escuro, mas era uma noite bonita. Ué, agora que eu percebi que a gente não está brigando. -fez careta. -Quer começar com o que?
Eu: E adianta ficar brigando com você? Não leva a nada. -bufei. -Acho que querendo ou não vamos ter que nos unir para esse trabalho.
Aquilo trouxe o silencio de volta, eu me sentia estranha. Aqueles segundos olhando para o nada pareciam uma infinita eternidade. Percebi que ele mudou de assunto quando novamente começou a falar.
Zayn: Eu costumava...você sabe, ser safado e quieto, usava minha falsa timidez para atrair as garotas, eu gostava de ser esse cara mas aí...sabe, você conhece a pessoa que parece certa e não quer mais ser assim, você quer dar tudo pra ela. O problema é só que...eu não tenho nada aqui.
Eu: Tá falando do quê? Você é tão patético. -ri.

Zayn: Cara, estou abrindo meu coração para uma garota, uma coisa mais difícil que uma nova guerra mundial e você aí tirando sarro. -ria. -Isso é triste.
Eu: Que? Ficou sentimental agora que fumou ervas?
Zayn: Falei que era brincadeira!-disse em som autoritário me fazendo gargalhar. -Mas por que VOCÊ não quis ir com eles? Naquela noite no Marquee você parecia o tipo festeira, dando mole pro Logan e virando as garrafas.
Eu: Eu estava de coração partido, toda garota precisa de uma coisa assim. -suspirei. -E hoje não estou com o menor clima para festas. Quero ficar um pouco quieta, os últimos dias foram...
Zayn: É. -concordou- Imagino como deve ter sido pra você.
Eu: E essa garota que falou, por acaso é a Piper?-pedi apenas para saber mais sobre os dois. Ainda havia certo mistério no modo como se tratavam.
Zayn: Não. -riu. -a Piper é sexy e é uma guerrilheira de nascença. O crime é nome do meio dela, é o que eu acho. -eu não queria saber disso, aos meus olhos essa descrição dela podia estragar a ligação que eu acreditava que tínhamos. Ou não.
Eu: Ahm, aposto que sim. -murmurei.
Zayn: Mas acabei de conhece-la, então obviamente não. -me olhou.
Eu: Se quer minha sincera opinião vocês formam um casal sexy. -disse sentindo-me divertida o bastante para esconder a ponta de ciume.
Zayn: Tá na cara que Jack ainda fica de amiguinho em pé por ela. Sei que eles se gostam. -riu para baixo.
Eu: Então...
Zayn: É. -me direcionou um olhar profundo, como resposta. Não demorei a entender, eu estava o encarando sem medo.
Eu: Te juro que se for pra mim, não acreditei em uma palavra sua sequer.
Zayn: Como quiser. -aproximou seu corpo e levantou a mão, me fazendo recuar. -Para com isso, eu sei que não tem medo de mim. -fiquei parada e sua mão fria tocou em meu cabelo, afastando-o do meu pescoço. Seus olhos estavam nele, Zayn suspirou. Parecia pensativo olhando a cicatriz de cigarro que tinha sido feito por ele mesmo. -Isso...droga.
Eu: Tanto faz. -seus olhos subiram até meu rosto.
Zayn: Ainda dói?
Eu: Obviamente não. Mas de lembrar sim. -ele consentiu.
Zayn: Você estava sozinha, e com medo. Acho que foi a única vez que vi aquilo nos seus olhos, você suava frio.
Eu: Chega!
Zayn: Se eu pudesse voltar e não te machucar daquele jeito, eu faria isso e...
Eu: Dá pra você calar a boca?-quase gritei, Zayn ficou parado em silencio. Após um pensamento que durou provavelmente um segundo, se aproximou mais e seus lábios buscaram os meus rapidamente, sua mão atrás da minha cabeça forçava meu rosto na direção dele, queria juntar forças para manda-lo parar mas isso não seria sincero no momento em que tínhamos um sentimento mútuo e confuso em meio aquilo. Seu beijo era ardente e estranhamente viciante, parecia que ele queimava por toda minha boca e garganta em desespero, mas eu também o queria misturado ao meu estado de nervos. Coloquei minhas mãos em sua nuca e seu corpo se movimentou para cima do meu ainda naquele chão de madeira, as luzes dos postes de luz a frente da casa iluminavam meu rosto do angulo em que eu estava me trazendo as lembranças daquela noite, eu estava a ponto de retomar meu fôlego e gritar de raiva, dor, medo mas sua boca perseguia meus lábios, eu podia sentir seu desejo por mim fluir a cada segundo em que nos tocávamos, havia um rugido violento. Fechei os olhos o puxando para mim, nos beijávamos quando Zayn levantou a cabeça me vendo deitada e me puxou num movimento colocando-me em seu colo, passou pela porta enquanto um carro acabava de entrar na frente da casa e buzinava. -Za...Zayn, as drogas chegaram.
Zayn: Elas podem esperar...-sussurrou e entrou em casa, subindo as escadas em seguida enquanto eu estava imóvel, adentramos seu quarto escuro assim como o resto da casa que percorremos. Ele me deitou no meio da cama e percebi a grande janela que nos dava uma vista privilegiada da lua cheia e iluminava sua expressão e os traços de seu corpo agora novamente em cima de mim. Sua boca beijou meus lábios e desceu num rastro. Por meu queixo, pescoço, até chegar na cicatriz e ele se afastou, para em seguida dar um beijo em especial na marca de cigarro. Havia algo sentimental que ele provavelmente tentava me mostrar. Suas mãos que estavam no meu shorts recuaram e ele se afastou da cama.
Eu: Achei que nós íamos...
Zayn: Achou errado. -disse como se estivesse bêbado pelos beijos. -O que..eu sinto você não entende, e eu não consigo explicar. -levantei a cabeça sentando na cama.
Eu: Você é complicado sabia?- grunhi- Muito complicado porra.
Zayn: A gente se vê depois. -joguei seu travesseiro contra ele que saía do quarto.
Eu: Saí!

Ouvi seus passos sumirem e logo pela janela vi um jipe começar a ser discretamente descarregado com pacotes.
Agora sim as coisas estavam ainda mais confusas. Por que esse babaca tem que fazer isso? Estragar as coisas? A culpa estava voltando a mim de uma maneira que achei que nunca mais voltaria. Eu estava assustada, culpada, e tudo que podia ser incluído no maldito pacote daquele sentimento reprimido que era estar apaixonada. E infelizmente, talvez por castigo de algum pecado que devo ter cometido, eu estava.

[1 mês e meio depois...]

               Tudo bem. Eu percebi que apesar de tarado, babaca, bêbado, fumante compulsivo, extremamente debochado e insuportável, Zayn conseguia não me tirar tão do sério assim. Eu pensava que seria impossível conviver constantemente com ele, mas durante esse tempo ele até que se mostrou suportável. Não que, eu não tivesse que bufar discretamente pela casa para não partir para a violência as vezes. Ficar ali com Zayn não era a pior coisa do mundo, não como era a praticamente um mês atrás. Só que apesar de não ser todo o mal que eu esperava, não quer dizer que eu queria estar ali em alguns momentos. As vezes eu saía daquela casa e caminhava para sentir a liberdade que tinha voltado a ser minha, e também para ouvir música e relaxar a cabeça. Mesmo que por um lado...

Não. Eu estava ficando maluca. Eu sentia falta da minha vida sim, da minha rotina chata, das rejeições, dos meus poucos amigos, do meu pai e da Clair, das minhas roupas, e fantasiava como teria sido o meu novo empego naquela editora que me abriria tantas portas. E acabou, aquilo tinha ficado para trás. Eu sentia falta de tudo que eu tinha, e de tudo que eu era. 
Nós estávamos ali, ultimamente em constante busca por diversão vinte e quatro horas por dia e mesmo assim logo batia aquela tristeza, aquele sentimento ruim que gritava de nós. De mim.
Eu não sabia se alguns deles sentiam falta de casa, da sua vida normal. Porque aquilo não era, pelo menos pra mim. 
      Assim que as drogas entraram pela primeira vez na mansão, as coisas começaram a ficar uma correria. E não que antes não fosse, e eles reclamaram. Mas pessoas como eu e Zayn sabíamos que não estávamos ali por passeio, não era como se tivéssemos alugado aquele lugar para relaxar e passar férias. Depois de uma semana, pessoas começaram a aparecer aqui. Eu só ficava escondida em algum lugar, espiando como uma criança, enquanto Zayn e os caras negociavam com as pessoas, na grande maioria homens. Em 3 de março, houve uma briga no porão. Um cara mal encarado deu um tiro no braço de Frank após pedir para ver as drogas. Ninguém mais apareceu por uma semana. Eu não sabia como eles se correspondiam e traziam essas pessoas interessadas pra cá mas eu sabia que estávamos ganhando muito dinheiro. Assim como, Piper, Débora e Jack iam as festas e baladas mais frequentadas de Las Vegas vender com todo aquele jogo de cintura deles. Fiquei surpresa quando Zayn me trouxe dois mil dólares na terceira semana e eu sai com Débora para comprar roupas, sapatos e coisas que eu precisava. Mas ainda não estava fazendo nada como vim para fazer. Eu estava ali para fazer alguma coisa e a adrenalina em mim queria começar logo.
Nessas últimas semanas eu tive a boa -ou nem tanto- oportunidade de conhecer melhor cada pessoa daquela mansão.

Danny segurou minha mão com firmeza parado logo atrás de mim, colocando no gatilho da arma prateada que tinha acabado de me dar. Nós estávamos em seu quarto já organizado, e ele como prometido antes de chegarmos aqui, estava me ensinando a atirar. 

Danny: Ok, está vendo o coelho? Esses olhos vermelhos sedentos de LSD, ele só quer pegar tudo e NÃO PAGAR. -gargalhei. 
Eu: Será que dá pra nós não treinarmos em coelhos de chocolate? Isso me dá fome e me desconcentra totalmente. 
Danny: Exatamente, vamos usar eles pra você aprender a não se desconcentrar por nada. E também porque eu odeio essas coisas. -olhou de cara feia para a cadeira com doces. Eu bufei, só queria provocar um pouquinho. 
Eu: Mas o inimigo não é feito de chocolate. -ele bufou.
Danny: Deixa de ser chata, vamos logo. -se posicionou novamente atrás de mim colocando meus dedos de modo certo na arma. -Não precisa ter pressa, respira fundo. -encarei os coelhos em cima da cadeira mirando em um deles, respirei fundo soltando o ar e sentindo a adrenalina percorrer minha mão e todo meu corpo, era como se minhas veias tivessem sido invadidas por raios. Eu queria que desse certo, estava suando frio. Depois de alguns segundos, puxei o gatilho sem soltar a arma como da primeira vez, fechei os olhos apenas para ouvir um grito de entusiasmo de Danny. -ISSO! FALEI QUE VOCÊ CONSEGUIRIA!-isso me fez abrir os olhos em direção ao coelho, havia chocolate por toda parte e a bala tinha atravessado o mesmo e perfurado o estofado da cadeira. Pulei em cima de Danny gritando algo realmente feliz. -Viu?
Eu: Obrigada por me ajudar com isso. 
Danny: Falei que ia ser um prazer ensinar o mal para uma garota tão frágil!-eu ri e lhe dei um tapa na cabeça.
XXX: Gente, gente!-a voz que vinha do corredor ficou mais alta direcionando nossos olhares para a porta. -Acho que vocês vão querer descer. Tá dando o maior rolo lá embaixo, a Piper precisa de ajuda!


CONTINUA...
Heey amores. SeuNome apaixonada vai dar merda, quer dizer mais merda hehe. E o coitado do Zayn tá confuso agora.
Gente a partir do próximo capítulo a coisa vai começar a pegar fogo (e não é só de hot que eu estou falando), o relacionamento deles principalmente.
Obrigada por todas as mensagens de aniversário, fizeram meu dia! Vocês são maravilhosas demais cara. Vou tentar terminar o Believe in me até semana que vem, vamos ver como vai ser até lá.
Boa noiteee.

8 comentários:

  1. Adoreeeei <33333
    Eitaaaa, hot? Gostei u.u
    Cooooontinua *-*

    ResponderExcluir
  2. Caralho, como assim pegar fogo? Não vai me fazer sofrer, néee?
    Adorei! O Zayn é fofo quando quer. >w<

    ResponderExcluir
  3. OH MDS CONTINUA LOGO,MDS SÃO TANTAS EMOÇÕES HJ PRA MIM,1º O FILME 2º A FIC MDS MDS SUA DIVA,AMO ESSA FIC É PFTA!!!

    ResponderExcluir
  4. Amei Lizzy vc é incrível!!!

    ResponderExcluir
  5. EEEEEH POSTOUUUUUU!!
    Gente que fic perfeita! Eu amo cada dia mais essa fic! Que capítulo perfeitooo! Amo fics assim! Cada capítulo eu me surpreendo mais! Continua fazendo esses capítulos DIWOS hein!

    CONTINUAAAAA O MAIS RÁPIDO POSSÍVEL!!!

    XxMinxX

    ResponderExcluir
  6. Eu queria saber se você poderia divulgar meu blog na sua próxima postagem, eu criei ele a pouco tempo, pode fazer esse favor? Obrigado! http://imagines-4-directioners.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  7. Oeeee! Leitora nova aqui \o/ -eu comecei a ler a fic ás duas da tarde e cheguei no capítulo 19 agora, ás 03:15 da manhã.-

    ESSA FANFIC TA MARAVILHOSA, DA ATÉ UM CALOR QUANDO EU LEIO :v
    CONTINUE LOGO, EU TÔ AMANDO DEMAIS. (e olha que eu não sou de ler fics em andamento) Szsz <33

    ResponderExcluir
  8. MDS PERFEITO CONTINUA POR FAVOR NÃO DEMORA POSTAR, É O MELHOR IMAGINE DO ZAIN QUE JÁ LI E NEM TERMINOU, NÃO DEMORA PF
    xx Clarisse

    ResponderExcluir