Badboy of' Mine - Capítulo 17

| | |

- Então você é o tipo de cara engraçadinho?


SeuNome P.O.V's

Mantive meus pensamentos organizados ao máximo depois que Zayn tinha saído, eu só não queria enlouquecer de vez mesmo que eu estivesse com uma pontinha de dúvida sobre cogitar a ideia de eu já estar louca. Eu sabia que ele não confiava em mim nem sequer para piscar os olhos e falei isso em sua cara após ter ouvido uns ruídos do outro lado da quadra enquanto ele falava com os amigos, e mesmo depois dele ter confirmado isso me deixou sozinha em seu apartamento. Quero dizer, aquilo fazia algum sentido? Ele sabia que eu poderia fugir de várias maneiras se tentasse? Aquela parte de Vegas era bem deserta mas eu sabia que se fosse até a janela do banheiro e gritasse por socorro teria de aparecer alguém. Aliás, aquele prédio tinha zelador ou algo assim? As vezes eu sentia como se aquele lugar estivesse completamente abandonado. E era desses lugares que Zayn gostava.
A menos de um mês atrás eu não gostaria de ouvir uma palavra sequer de qualquer conversa de Zayn com aqueles marginais dos amigos dele, mas hoje, com as ideias que estavam na minha mente e pelo que passei nos últimos dias, eu daria tudo para ter ouvido pelo menos uma parte daquelas conversas secretas que ele parecia querer tanto esconder de mim.
E aquele garoto, Logan. Minha cabeça realmente se embaralhou em mil peças quando eu o vi entrando naquela quadra talvez tão confuso quanto eu que levantei na hora do banco. A experiencia daquela noite passada tinha sido bem perto de estranha, nós nos conhecemos e conversamos, dançamos, Zayn o socou e aí...ele aparece lá e se junta com a turma dele para conversar depois de vir falar comigo por uns dois minutos. Eu tinha lhe perguntado o que ele estava fazendo ali e apenas me respondeu "Eu também não faço ideia, espero descobrir agora", ficou me perguntando "Está tudo bem mesmo com você?" como se eu estivesse com um assassino. Depois ele foi até Zayn e eles pareciam conversar seriamente.
Eu só sabia que aquilo era mesmo muito estranho, mas afinal, a realidade do Zayn era tão insana que eu...eu não sei, eu queria gritar as vezes, de estar nessa situação.

Depois que ele me deixou no apartamento e saiu, eu olhei para aquele monte de comida que ele tinha comprado e aquela bagunça de pacotes amontoados na pequena mesa da cozinha, abri os armários e comecei a organizar as coisas depois de atacar um pedaço de bolo pronto, eu não conseguia me lembrar da última vez que tinha comido e aquilo embrulhava meu estômago ainda mais. Comi mais algumas coisas e continuei a arrumar as coisas ali, processando aquilo tudo. Depois que terminei, desliguei a luz e fui pegar meu celular no quarto de Zayn indo para a sala já que não era muito confortável psicologicamente ficar lá. Quer dizer, naquele quarto tudo tinha seu cheiro e consequentemente aquilo me lembrava muito do seu beijo.
Sentei no sofá após suspirar e liguei a tv, desbloqueei a tela do meu celular vendo pela segunda vez que havia sinal. Eu poderia ligar para casa, ou para qualquer pessoa. Para a policia...
Havia pouca bateria, teria que ser rápido. Eu estava sozinha ali. Seria o momento perfeito.
Encarei aquela tela até que ela se apagasse e então balancei a cabeça olhando para a tv novamente. Eu poderia dizer que é bom ficar um tempo sozinha, só eu e a minha consciência, sem aquela gente por perto mas na verdade eu sentia como se estivesse sozinha o tempo inteiro, em todos os lugares, por mais que houvessem multidões em volta. Me consolava a ideia de saber que todos já devem ter se sentiram assim.

Já havia anoitecido quando a porta rangiu e eu ouvia-a se abrir e Zayn entrar segurando o celular entre a cabeça e o ombro enquanto fechava a mesma. Ele desligou rapidamente sem se despedir de um jeito meio frio e colocou no bolso indo em direção a cozinha após ver minha figura no sofá.

Zayn: Hum, você está aí. -a luz da cozinha se acendeu após ele entrar lá.
Eu: Onde mais eu estaria? -ri sem humor me ajeitando sentada e passei a mão nos cabelos na espera de tentar me arrumar um pouco.
Zayn: Não sei, garotas são imprevisíveis. Mas eu sabia que seria difícil te deixar aqui nesse apartamento sozinha.
Eu: Então por que deixou já que não confia em mim? Isso não faz sentido. -o encarei quando ele apareceu na porta da cozinha virando uma garrafa de água na boca e depois limpando a mesma com a mão num movimento engraçado. Ele apenas me encarou sem achar uma resposta. -Você não faz sentido. -Zayn deu de ombros e acho que foi a primeira vez que o vi fazer esse gesto que aproposito lhe caía bem.
Zayn: Você comeu?
Eu: Isso importa?-o encarei séria.
Zayn: Tá. Eu já vi umas embalagens no lixo, só queria ouvir de você. -virei os olhos. Insuportável. -Eu não me importo mesmo, só não quero um cadáver nessa casa, sabe como é. -prestei atenção na televisão o ignorando. -Tenho que fazer uma ligação urgente pra fazer, não estranha se os caras aparecerem e entrarem aqui em alguns minutos. -disse e sumiu no corredor sem nem apagar a luz da cozinha, logo ouvi a porta do quarto bater em desleixo.

O quê? Aqueles idiotas ali de novo? Será que eles tinham que encontrar o Zayn várias vezes ao dia? As coisas com que lidavam eram tão importantes assim que tinham que ser discutidas o tempo todo? Eu odiava a resposta de todas essas perguntas. E também odiava ter que aturar aquele bando de homens toda hora na qual Zayn deixava-lhes me tratarem como uma fugitiva. E na verdade era exatamente isso que eu sou. Que eu era. Abaixei a cabeça colocando meu celular no bolso, nunca gostei de rotular as pessoas, a minha adolescência inteira eu convivi com jovens mimados de boas famílias, que viviam cada segundo no colegial rotulando as pessoas e as colocando para baixo "Aquela é a nerd da turma", "o pegador", "a chata", "o diferente","o engraçadinho", "o rejeitada", "a vadia", "aquela é importante, aquela não", "aquele é gato, aquele não", eu aprendi da pior maneira que todas essas pessoas tinham sentimentos e não mereciam ser tratadas dessa maneira, era como chama-las por números e para quê? No final o colegial acabou, cada um foi tentar uma faculdade diferente, em lugares diferentes do país e os rótulos? Ninguém mais lembrava, mas as lembranças de quem foi tratado mal naqueles anos nunca desapareceu. E eu não queria voltar a ser uma daqueles ignorantes que rotula, eu prometi a mim mesma que conheceria uma pessoa antes de julga-la. Eu poderia ter dado uma chance para conhecer o Zayn, os amigos dele, mas nas últimas semanas eu me machuquei demais para lembrar de tudo isso, aquilo eram mais que provas, adultério, agressão, assassinato. Eram crimes. E tudo tão rápido desabou na minha frente, em cima de mim.
 Zayn era misterioso, muito na dele. Mas no fundo, eu sabia que um lado dele estava tentando melhorar as coisas. Só queria acreditar que ele estava tão perdido quanto eu, mas as vezes parecia que estava totalmente no controle.

A campainha tocou umas duas vezes, ouvi risadinhas do corredor. Revirei os olhos e troquei de canal, enquanto a porta se abria e por ela entravam Danny e Jack. Fiquei um pouco aliviada ao ver que só vieram eles, e que não ficaria sozinha com cinco homens e sim com três. Para uma garota que nunca soube conviver muito bem com os garotos aquilo estava até demais. Eles me olharam e Danny tentou sorrir ao me notar no sofá, quando Jack foi abrir a boca para provavelmente perguntar onde Zayn estava, o mesmo apareceu do pequeno corredor e não se mostrou surpreso ao vê-los já que já os esperava. Zayn chamou os dois para mostrar algo no celular e cochicharam, ele então fez um sinal com a cabeça.

Jack: Quer dizer que você fez?
Zayn: Fiz. -parecia apreensivo.
Danny: Ligou mesmo? E e...e ele? -Zayn me olhou e os chamou para conversar a sós na cozinha. Naquele momento eu quis desaparecer dali, eles realmente não me queriam por perto mas não podiam me deixar ir. Se isso era destino, então eu o odiava.

Depois de alguns minutos eles todos voltaram, com uma caixa de cervejas das compras que Zayn tinha feito mais cedo e copos, os encarei atenta enquanto se espalhavam pela sala, Danny puxou uma cadeira se sentando ao lado de Zayn e Jack no outro sofá. Eu levantei a sobrancelha em total interrogação enquanto eles abriam uma das garrafas e serviam os copos, em seguida Zayn deu um pra mim.

Eu: O que...?
Jack: Nossa comemoração. Conseguimos o que queríamos e você vai pra casa. -Olhei para Zayn que abriu a boca para falar mas fechou como se não soubesse por onde começar a falar alguma coisa e fez isso umas três vezes me deixando aflita.
Danny: Escuta SeuNome, o Malik aqui tem uma coisa bem importante pra te falar. -ele me olhou assentindo, mas tentando escolher ainda sim as palavras.
Zayn: Olha, eu...vou deixar você ir, SeuNome. -o fitei franzindo o cenho com essa frase. Ele parecia estar falando sério, sem ironia, sem aquele sarcasmo natural. Nossos olhares estavam nivelados.
Eu: M-mas por quê? Quero dizer, por que agora?
Zayn: Olha, tem alguns negócios bem importantes acontecendo na minha vida e eu vou arriscar algo novo e meio complicado na qual não dá pra ter uma garota comum comigo.
Eu: O que aconteceu com aquela história de "Você não é comum"? -os amigos dele o olharam querendo rir mesmo que a situação parecesse tensa.
Zayn: Você não está entendo a gravidade da situação. Você tem que ir já amanhã, entendeu?-parecia meio nervoso.
Danny: É, a gente acredita que a poeira já deve ter abaixado com a policia. Então vamos fazer um acordo com você para poder voltar pra casa sã e salva e sem falar de nada que aconteceu aqui em Vegas.
Eu: Ei, ei espera! Vocês não confiam em mim.
Jack: É, mas...
Danny: Cala a boca man, deixa o Zayn terminar!-disse grosso fazendo Jack se calar.
Zayn: Escuta SeuNome, vou ser sincero porque esse momento exige isso. Eu não confio mesmo em você, mas prefiro arriscar te libertar e você correr contar para a polícia e voltar a ser um fugitivo do que você continuar com a gente e entrar nessa. -sinceramente, não conseguia acreditar. Por um lado era um tanto fofo ele se preocupar mas por outro eu só queria matá-lo.
Eu: E por que acham que eu quero fazer um acordo com vocês?
Zayn: Porque você está louca para voltar para a sua vida, sua casa, família e calcinhas. -não pude conter o riso.
Eu: Não.
Zayn: O quê?!-arregalou os olhos. -Como é que é?
Eu: Não quero acordo de silencio com vocês, não quero voltar para San Diego. -dei de ombros. -Tenho meus motivos. -bebi minha cerveja. Aquilo era ruim. Zayn riu irônico.
Zayn: Escuta aqui SeuNome, isso aqui não é brincadeira de ser rebelde por um dia, isso aqui é vida real e eu entrei em um acordo que não posso mais voltar atrás. Dane-se os seus motivos, não se dá bem com a mamãe? Seu pai não te deixa sair? Foda-se, você vai voltar para casa. É muito sério e perigoso, você não pode ficar.
Eu: Vocês já estragaram a minha vida de qualquer jeito, além do mais vão me perguntar do David quando eu voltar e aí? O que eu vou fazer? Vão fazer milhares de perguntas.
Zayn: Não responda nenhuma delas. Você não pertence a esse lugar, já provou para si mesma.
Eu: Eu vou ficar.
Zayn: Isso é tráfico de drogas! Tá mesmo afim de entrar nessa? Isso não é brincadeira. Se entrar vai ter que ficar aqui, seus familiares já devem estar te procurando. Se nos pegarem você vai presa na hora, não vai poder se arrepender.
Eu: Tráfico de drogas?-repeti perplexa. Eu já devia esperar qualquer coisa deles. Nos filmes aquilo aparecia ao tempo inteiro mas estavam falando sério na vida real. E era assustador.
Jack: Olha, a garota pode se dar bem aqui, Malik. Ela não parece querer mais voltar para casa. Além do mais ela é maior de idade, certo?-assenti meio paralisada.
Eu: Se vocês aceitaram a recompensa deve ser grande.
Danny: Você não parece ser o tipo de garota que precisa de dinheiro. -olhei para baixo, não queria falar das minhas necessidades pessoais com eles, ainda mais sobre dinheiro. Eu trabalhava numa cafeteria por causa disso, e agora tinha perdido meu emprego de fotógrafa.
Eu: Vocês acabaram com o meu namoro, me arrastaram pra esse lugar e...eu acho que o mínimo que podem fazer é me deixarem participar disso.

É, eu sentia que estava louca de vez. Aquilo era completamente insano pra alguém como eu. Aquele não era o meu mundo. Mas poderia ser. Eu só tinha que tentar algo novo, sabia de todos os riscos como ninguém por causa do emprego do meu pai -o que me lembrava de mais um motivo para não querer voltar a San Diego-, e aquilo além de uma completa nova experiencia poderia me mostrar uma nova vida. E eu que achei a minha vida toda que usaria tudo que conheço para o bem, meus aprendizados, minha dedicação para ajudar pessoas...aí estou eu. Não sabia porquê dentro de mim eu desejava tanto aquilo naquele momento, aquele perigo, mas eu sabia que queria.
Eu queria.
Eles já pareciam ter um acordo.
Eu era maior de idade e podia escolher o melhor pra mim, o que queria.
E eu queria isso.
Ninguém poderia dizer "não" pra mim.

Zayn: Não! De jeito nenhum! Isso é a coisa mais ridícula que eu já ouvi de você SeuNome. Não é só a polícia, vão ter caras perigosos, pode haver mais perseguições podem haver até mortes, você não faz a menor ideia da onde está querendo se meter, isso é muito, muito mais perigoso do que você imagina.
Eu: Eu não me importo.


Zayn: Não. -balançou a cabeça- Essa não é a sua realidade, você é uma pessoa boa e eu tenho certeza.
Eu: Por quê você se importa? -levantei a voz. -Você me odeia. -nos encaramos. -E você não manda em mim. Eu estou dentro. -o encarei com sarcasmo. Zayn apertou o copo cheio de cerveja nas mãos até quebra-lo, levantou jogando os cacos na parede com um grunhido, eu realmente tinha conseguido estressa-lo ao máximo. Olhou feio para todos ali, que pareciam não se importar em me deixar entrar naquele acordo. Então seu olhar frio se direcionou pra mim.
Zayn: Você vai se arrepender depois.

Zayn balançou a cabeça pegando um maço de cigarros com rispidez na estante e caminhando pelo corredor pouco iluminado em direção ao quarto, alguns segundos depois a porta bateu tão forte que senti o chão tremer. Danny sussurrou "Não liga não" após alguns minutos tensos de silencio naquela sala. Jack balançou a cabeça com um ar um tanto sarcástico pela situação e pegou a caixa de cervejas do chão, tirando mais uma garrafa e enchendo nossos copos. Eu comecei a fazer algumas perguntas e eles me respondiam após hesitar um pouco, Jack explicava com muita atenção o que eles iam fazer nos próximos meses, dizendo o que sabia que tinha conversado e Zayn tinha lhe explicado. Que em dois dias eles iriam todos se mudar para uma casa enorme que seria a cabeça do tráfico, e que também além de nós viriam mais duas ou três pessoas. Falou da quantia -que para mim era gigantesca- que seria dividida entre nós na primeira semana que ficássemos lá, um tal de sr.Payne precisava de pessoas para vender suas drogas por ele, aquilo era completa loucura. Mas nos pagaria muito bem. Querendo ou não, aquele ia ser o meu primeiro emprego descente. Ou não.
Ouvi tudo com paciência e curiosidade, Danny as vezes corrigia algumas coisas que Jack falava. Depois das 3 de manhã, eu ainda estava ouvindo aqueles planos de cada um deles, que agora não estava tão longe de se realizarem. Já tinha bebido vários copos de cerveja e nem acreditava que estava ali, sem receio nenhum de falar com aqueles caras.

Jack: Olha SeuNome, o Zayn pode ser bem cabeça dura de não querer deixar você ir mas se é o que você quer, ele não pode te impedir. -assenti. -Se quer saber, eu te acho determinada e confiante quando queria fugir de nós, quando queria saber do David e você encarou a gente e o Zayn...acho que vai se dar bem nisso. -eu sorri, sentindo uma ponta de insegurança mas por outro lado estava confiante o que é estranho mesmo. -Vou segurar as pontas com o imbecil do Zayn. Mas olha não fica com raiva dele não...ele se preocupa com você. -sussurrou como se aquilo fosse um segredo. Olhei para Danny que assentiu com a cabeça o comentário de Jack. Olhei para baixo tentando ignorar isso.
Danny: Sabe atirar ou vai morrer tentando?-fingi uma risada.
Eu: Então você é o tipo de cara engraçadinho?
Danny: Tento ser. -deu de ombros. -Vai ser um prazer te ensinar.

Rimos daquilo que parecia ser uma brincadeira mas me fez pensar novamente na ideia e quase deixar o copo frouxo cair da minha mão. Eu ainda era uma boa garota.

CONTINUA...
Gente, consegui reabrir minha ask mas perdi tudo nela portanto estou a começando de novo, se tiverem alguma dúvida podem me pedir, perguntar e etc.
>> Aqui <<
Bjus! 

6 comentários:

  1. AI.MEU.DEUS! QUE PERFEIÇÃO! Parece um livro, é tão bem explicado que parece um livro! É aquele tipo de história que vc termina já roendo as unhas para saber o que vai acontecer no próximo capítulo! Eu esperei muito por esse e não me faça esperar de novo, essa fic é a minha vida. O Zayn é tão badboy e perfeito, e ele se preocupa <3 A SeuNome é perfeita, corajosa e fofa, socorro. Esses amigos do Zayn são mais legais do que eu imaginava! E essa casa com mais pessoas, hein? Eu estou morreeeeeeeeeeeeeeeeeeeeendo de ansiedade! Vai ficar foda! Já tá foda! EU TO ENLOUQUECENDO, ESSA FANFIC É A MINHA VIDA, CONTINUA PLDD!
    BEIJOS E CONTINUA, CASO CONTRÁRIO, EU MORRO!
    XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX

    ResponderExcluir
  2. Ameeeeiiiii
    Bjs
    Posta logo

    ResponderExcluir
  3. Que perfeição mds <3

    ResponderExcluir
  4. FIC D-I-V-A B-O-$-$ rçrçr cara,que divooooooooooooooo eu AMOOOOOOOOOOO ESSA FIC MDS MDS QUE PERFEITA MDS MDS MDS SUA DIVA,CONTINUA LOGO,JÁ TO ROENDO AS UNHAS DE TANTA DISCURIOSIDADE !!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!! AI MORRI! ~MENTIRA NN POSSO MORRER ATÉ O PRÓXIMO CAP!~~

    ResponderExcluir
  5. Por favor continua isso logo! Não ligue para os comentários negativos, vc é forte, sua fanfic é perfeita. Eles são tem inveja do seu talento. Continue firme, estaremos ao seu dispôr e entenderemos qualquer escolha sua. Mas por favor não abandone o blog, nós te amamos e o seu fanfic está incrível!
    Te amamos!

    ResponderExcluir
  6. Capítulo prefeito!
    Me adiciona no grupo do Whats pff eu realmente quero entrar meu número e 37-9153-8319
    XX Paolla 😘

    ResponderExcluir