Badboy of' Mine - Capítulo 2

| | |

- Noite assustadora

Tumblr

SeuNome P.O.V's

Eu não acreditava que estava tendo que passar por aquilo. Olhei para baixo vendo a cama em que eu estava sentada forrada de roupas enquanto meu cérebro provavelmente não estava funcionando direito com aquela falação a minha volta, mas eu não entendia palavra nenhuma. Não de novo, isso estava me lembrando oito meses atrás quando ela estava tentando me jogar para cima de um cara dono de bar que eu nem conhecia. Babaca, acho que a marca da bolçada que dei na cara dele ainda está lá.

- EI!-gritou e olhei rapidamente para uma Madison furiosa a minha frente com as mãos na cintura. -Você está viajando de novo né? Tá ouvindo o que eu estou falando?
Eu: Estou. -menti.
Madison: O que eu disse?-me desafiou levantando uma sobrancelha. Encarei aquelas roupas e em seguida ela, depois as roupas de novo.
Eu: Sobre eu sair com aquele cara. -me levantei me sentindo quebrada, cansada, completamente necessitada de um lugar aconchegante para deitar, a ultima coisa que queria era ficar ouvindo o cacarejo da minha melhor amiga sobre algo que não faz a mínima diferença pra mim. -Nem pensar!-falei firme e fui para o banheiro, tirei a roupa do trabalho e vesti meu pijama enquanto ainda ouvia Maddie tagarelar do quarto.
Madison: Mas você mesma disse que ficou toda sorridente depois que saiu do elevador, disse que ele sabe puxar conversa e eu nunca vi você animada daquele jeito. -bufei saindo do banheiro e terminando de vestir a blusa.
Eu: Tá, ele era atraente, bonito e me fez rir mas e daí? Não falei que ia sair com ele.
Madison: SeuNome! O cara voltou aqui atarde por uma razão. Ele parecia bem interessado em você.
Eu: Vai ver ele é só um idiota se fingindo de bonzinho que quer transar, eu não vou não. -sentei na minha cama puxando as cobertas. -Trabalhei demais hoje, quero dormir.
Madison: Mas eu separei um monte de roupas pra você escolher, saí um pouco SeuNome.
Eu: Não. -senti minhas cobertas serem puxadas de mim.
Madison: Mas eu falei que você vai. -sentei num pulo.
Eu: O QUE? VOCÊ FALOU QUE EU IA?
Madison: Sim!- sorriu- Que mal há? Achei que depois de oito meses sem sair com ninguém -mandei meu olhar que dizia "vou te matar"-, tá, tudo bem que o cara era um merda, eu só queria que vocês saíssem para conseguirmos bebidas de graça, m-mas me desculpa por aquilo!
Eu: Ai, não acredito que você fez isso comigo!-disse com a mão no rosto.
Madison: Se te deixa melhor, enquanto você terminava de comprar o nosso jantar eu pesquisei o nome dele no Google e apareceu que o tal David Malik é herdeiro de uma grande empresa aqui de San Diego e tá cheio do dinheiro.
Eu: Que se dane essa merda, isso não faz parecer melhor!
Madison: Pensa bem. -cruzei os braços.
Eu: Por que é que você faz tanta questão assim que eu vá? Tá querendo trazer alguém aqui no apartamento? Porque se estava querendo isso era só me falar que eu ia dar uma volta, eu sei lá...
Madison: Não SeuNome! Eu só quero que você saia um pouco, desencalhe, vá em mais festas, namore e faça essas coisas se não vai morrer sem ter vivido intensamente.
Eu: Tá, sei, tanto faz. -suspirei olhando aquele monte de roupas. -Eu não quero usar suas roupas. Se eu vou irei usar as minhas. -ela anuiu com um sorriso e eu levantei da cama me levantando da cama quentinha. -Tá, e que horas foi que você marcou pra mim, minha sombra?
Madison: Que bom que perguntou, as 22:50.
Eu: Meio tarde. -ela bufou.
Madison: Vai se arrumar logo, eu vou anotar umas coisas.

Me aproximei do meu guarda-roupa e escolhi rapidamente um vestido e uma jaqueta de couro, em seguida fui para o banheiro não gostando nada da ideia de ter que tirar o pijama. Me troquei, lavei o rosto resolvendo passar só um gloss e arrumei meus cabelos soltos. Em seguida fui descalça para o quarto encontrando a Maddie mexendo no notebook na minha cama, escolhi um sapato que combinasse e o coloquei, ela me olhou e falou que eu estava muito bem. Ok, recapitulando o que eu estava sabendo era que estava atraída por aquele cara de hoje cedo, ele veio até o meu apartamento enquanto eu estava no trabalho e marcou com a Madison para sair comigo pelas minhas costas, até aí tudo bem. Aí quando cheguei em casa, tive que sair novamente para comprar nossa janta porque minha queria amiga não tinha feito isso, aí quando voltei super cansada ela tinha tirado todas as roupas do quarto dela e trazido para o meu, dizendo que eu ia sair. Então era isso, eu ia sair com David. Eu não sabia se estava muito preparada para encarar um encontro depois de oito meses mas resolvi não levar tão a sério assim, ia simplesmente conversar e ver no que ia dar, sem tirar conclusões precipitadas como sempre faço.

Quando o relógio marcava 22 e 30, a campainha já tocava. Madison me deu um papel com o telefone dele e da empresa que coloquei na bolsa, me perguntou como eu estava sobre a carta da faculdade e menti dizendo que estava bem. Abri a porta e encontrei David, com o mesmo sorriso divertido do elevador, ele me olhou dos pés a cabeça e eu sorri.

David: Nossa, você está linda.
Eu: Obrigada, você também.
David: Eu não achei que ia concordar em sair mas...
Eu: Que isso, vai ser legal. -sorri. -Vamos?-ele assentiu e eu saí fechando a porta em seguida. Descemos conversando descontraidamente, e quando saímos pelo hall eu percebi que o clima estava agradável, o céu escuro cheio de nuvens ameaçavam talvez chover mais tarde. -Então, onde vamos?
David: Pensei no bar aqui da frente. -meu sorriso desapareceu ao lembrar do meu ultimo encontro.
Eu: Er...er, eu acho que...-ele riu.
David: Estou brincando, acha mesmo que ia levar uma garota como você a um bar no primeiro encontro?-ótimo, que alívio. -Você quer ver um filme comigo?
Eu: É claro, adoraria. -ele apontou o carro ali na frente, preto e muito lindo e fomos até ele, David abriu a porta para mim fazendo-me corar antes de entrar. Um cavalheiro. Seguimos para o shopping que estava cheio, o cinema ainda mais mas eu não me importava de ficar um pouco na fila. Serviu para conversarmos, ele me perguntou várias coisas assim como eu, ele era uma graça.
David: Com o que você trabalha?
Eu: Eu sou atendente numa cafeteria. E você?-fingi que não sabia, não ia dizer que minha amiga investiga os caras antes de eu sair com eles. Estranho demais.
David: Sou empresário. É um negócio de família do meu pai, ele resolveu deixar pra mim já que meu irmão não dava conta.
Eu: Entendo...-na verdade não. -Não se dá bem com seu irmão?- David riu.
David: É que ele é o oposto de mim, nem dá pra acreditar que aquele cara tem o mesmo sangue que eu. Ah, olha, entramos em dois minutos. Vou pegar rapidinho uma pipoca, você prefere doce ou salgada?
Eu: Salgada. -disse tirando a carteira da bolsa.
David: Ah não, não! Pelo amor de Deus, eu pago. -piscou e desapareceu no meio das pessoas indo para a fila da pipoca. Eu sorri para o chão, não podia voltar a ficar boba. Fiquei na fila para entrar nas salas guardando nosso lugar e em minutos ele voltou se enfiando no meio das pessoas e ficando atrás de mim. Logo nossa fila entrou.

[...]

Aquele com certeza era o filme do ano, quer dizer, poque naqueles filmes clichês de romance as coisas não podiam tomar outro rumo não é? Esse era exatamente assim, aquilo sim era romance, com tanto perigo...eu sei lá, simplesmente amei. Estávamos comentando sobre isso andando para fora do cinema, David ria brincando que aquilo nunca poderia acontecer e nós conversávamos como pessoas que á se conheciam a um tempo. Ele era tão divertido que não deixava o clima ficar estranho em nenhuma hora sequer, sempre tinha o que dizer, e isso qualquer garota tímida amaria num cara. Descemos a escada rolante do shopping depois de termos andado por ele e tomado um milkshake cada um, eu quase tinha me esquecido do cansaço do dia-a-dia. Saímos vendo que a rua estava bem movimentada para aquela hora da noite, mas também não dava para comparar o centro de San Diego com o bairro que eu morava, que ficava quase deserto aquela hora. David tinha estacionado do outro lado da rua porque não tinha mais lugar no estacionamento do shopping.

David: Droga, a rua tá lotada. -disse enquanto nos aproximávamos do carro dele e um cara com uma moto foi frear e quase bateu no mesmo. -EI, EI! OLHA PRA FRENTE!-gritou correndo até o carro e fazendo o cara da moto aparentemente bêbado desviar. Eu cheguei até ele vendo que ali do lado era onde havia o prédio da divulgação de fotos que eu tinha visto na internet. Eu amo tirar fotos e por isso coloquei na minha bolsa a uma semana fotos que tirei para levar para que os peritos vissem. Na verdade o anuncio dizia que o melhor fotógrafo seria contratado para uma revista da editora deles. Isso era perfeito.
Eu: David, você me espera um instante? É que eu preciso entregar uma coisa naquele prédio. Ele olhava a traseira do carro provavelmente procurando um amassado ou arranhão.
David: Ahm, é claro linda. Mas se não se importa eu vou estacionar na rua de trás que está mais vazia e sem esses bêbados ao volante que podem bater no meu carro. -assenti. -E lá eu deixei uma coisa que queria te dar.
Eu: Ah, que isso, você já pagou coisas demais pra mim essa noite, não posso aceitar.
David: Eu faço questão. -sorriu. -Eu te espero na rua de trás então. -assenti. Ele entrou no carro e saiu dali. Eu caminhei pela rua entrando o prédio na qual haviam algumas pessoas entrando e saindo, pedi informação para uma moça e ela disse que estavam recolhendo as fotos no andar de cima. Subi os degraus e ali era uma sala de estúdio ou algo assim, haviam vários materiais de arte e gente trabalhando, um cara de bigode me viu parada ali e veio me perguntar se eu queria me inscrever. Assenti e ele me deu uma ficha que preenchi e entreguei o envelope com fotos, torcendo para que me chamassem. Não demorou nada e já saia do prédio, vendo que a rua estava ainda mais movimentada, com mais filas de carros. Então fui descobrir que estava acontecendo uma festa por ali, na qual os bêbados estavam saindo e alguns fazendo escândalo pela rua. Ajeitei minha bolsa no ombro e andei despreocupadamente pela calçada, tentando passar pela multidão. Foi quando comecei a sentir que alguém me seguia. Continuei andando, olhei para trás umas duas vezes até conseguir pegar a pessoa no flagra andando atrás de mim.

Eu: Maddie! Que diabos está fazendo aqui?-ela se fingiu de desentendida, parecia bêbada. -Você tá me espionando?
Madison: Não, estou só vendo de longe como está indo o encontro, talvez entrando na festa um pouco, daí voltando pra ver vocês e...
Eu: Isso é espionar! Droga, eu tenho 18 anos, sei ter um encontro sozinha, sem babá. -ela sorriu. -E você está cheirando a álcool.
Madison: Tá amiga, tá! Vou pra casa, cansei disso aqui. -começou a andar comigo, passamos na frente de uma rua transversal ouvindo a música tão alta que a rua inteira podia ouvir, isso me fez lembrar aquela velhinha de mais cedo, o que me fez rir sozinha. -O que foi palhaça?-pediu com a voz arrastada.
Eu: Nada, só...-senti algo pegar meu ombro, olhei para trás com o coração acelerado reconheci aquele rosto. -Você?
Moreno1: Oi, tá lembrada da gente?-sorriu apontando os outros caras atrás dele. Maddie piscou várias vezes provavelmente não entendendo o que ele disse.
Eu: O que vocês querem?
Moreno2: Que ironia encontrar você aqui, veio se divertir?-seu tom era de deboche.
Eu: Escuta aqui...
Madison: Quem são vocês?
Loiro2: Chega de papo, entra no carro. -disse sério pra mim, apontando a van estacionada no meio fio a nossa frente.
Eu: O que?-disse sem acreditar no que tinha ouvido. Exatamente nessa hora, da festança a nossa frente saiu um cara moreno, um deles que veio na nossa direção com um papel na mão. Ele os olhou e disse:
Moreno3: Vamos, a gente não tem mais nada pra fazer aqui, vamos pegar a estrad...-eu tentei passar por eles mas o loiro me trancou, Maddie estava de boca aberta um pouco atrás de mim. -Olha, a mocinha tá tentando escapar, segura ela aí Zayn. -o moreno ajudou o loiro a trancar minha passagem com um sorriso debochado. Eu tentei ir para o outro lado mas o loiro segurou meus dois braços ao mesmo tempo fazendo-me entrar na van, a Maddie gritou mas um dos outros caras empurrou ela dali, eles entraram e em seguida fecharam a porta. Eles começaram a rir, uns fumavam e aquilo estava me deixando muito assustada, tentei pegar meu celular da bolsa mas um dos morenos pegou rapidamente de mim. Eu ouvia de fora a farra que estava acontecendo e os gritos dos bêbados da rua, assim como ouvia barulho de chuva. Um dos caras tirou do cinto uma arma e apontou pra mim, eu gritei e ele gargalhou, depois jogou a arma para outro que estava do meu lado, ele colocou bem perto do meu rosto enquanto dizia que eu não devia ter expulsado eles da cafeteria. Um dos caras colocou a mão na minha perna e eu bati nele, na mesma hora puxei a porta mas a minha cintura foi segurada, eu gritei mas parecia que ninguém podia ouvir, o cara me segurava mas eu chutei sua barriga o fazendo me soltar e consegui terminar de puxar a porta da van e sair correndo. Eu corri o mais rápido que pude, meu celular tinha ficado com um deles na minha van então eu não podia pedir ajuda. Saí daquela rua tentando encontrar o carro de David, a chuva tinha começado pesada e eu não conseguia o encontrar. Parecia que o começo da chuva espantava as pessoas que estava na rua, aos poucos elas foram sumindo. Eu tropecei em uma poça enquanto corria e caí no chão, meus cabelos já estavam totalmente molhados e eu tinha quebrado meu salto naquela poça de lama, assim como me sujado. Suspirei antes de olhar para trás e notar que a van virava a rua com os faróis bem acesos, vinham em alta velocidade, eu levantei do chão rapidamente voltando a correr o mais rápido que minhas pernas e pulmões podiam aguentar, olhava em volta e não via o carro de David, eu achava que ia cair a qualquer momento mas não parava, só que todos sabem que não tem como correr mais rápido que um carro. E eles conseguiram me alcançar enquanto virava a rua. A van saltou em cima da calçada onde eu corria me fazendo gritar, eles estavam tocando o carro em cima de mim. A rua em que eu estava era deserta completamente diferente da que havia ficado para trás a alguns quarteirões, não havia quase nenhuma luz, eu estava assustada. Só queria que David estivesse por ali. Mas eu sabia que não estava. Eles desceram do carro quase que juntos e eu estava pronta para correr mas o vi com a arma na mão, se aproximavam de mim e eu estava em alerta a qualquer coisa.

Loiro2: Você corre muito rápido, que falta de educação com quem quer acompanhar.
Eu: Fiquem longe de mim.
Moreno1: Seu namoradinho mandou uma mensagem enquanto você corria. -jogou o meu celular em mim e eu li "SeuNome, onde você está? Estou preocupado" Voltei a encara-los. -Não tem medo de nós, não é? Porque mais cedo você não tinha nem um pouco.
Eu: Fica longe!-falei enquanto um deles tentava se aproximar me medindo.
Moreno2: Acho que ela ia se dar muito bem no cabaré em Vegas.
Loiro2: Você acha, bro?
Moreno2: Ah, com certeza. -ele riu analisando meu corpo.
Eu: Escuta, me desculpa se eu expulsei vocês de lá mais cedo mas era uma ordem da minha chefe e...
Moreno3: Shhh, cala a boca, vadia burra, você mexeu com os caras errados, se eu fosse você começava a rezar agora. -apontou a arma para minha cabeça e eu forcei os olhos achando que aquela seria minha ultima maldita respiração. -Morre vadia. -apertou o gatilho e eu ouvi um som, mas nada aconteceu. Eu os olhei quando todos começaram a rir ao mesmo tempo. Meu coração estava a mil.
Loiro1: Olha a cara dela! Meu Deus!

you inspire me | via Tumblr

Moreno3: Ela achou que ia morrer. -ria a ponto de ficar quase roxo. O cheiro de cigarro exalava dele. -Princesa, é só de brinquedo. -me mostrou quase esfregando na minha cara.
Eu: SE AFASTA DE MIM SEU FILHO DA PUTA. -empurrei seu peito morrendo de raiva. -VOCÊ ACHA ENGRAÇADO?-eles riam cada vez mais. Um deles passou por trás de mim mexendo no meu cabelo. -Não toca em...
Loiro1: Por que? Você é lésbica? Aquela lá era sua namorada?
Moreno2: Lésbicas chupam muito bem, quer dar umazinha no papai?-se aproximou de mim.
Eu: DESGRAÇADO, VAI SE FODER!
Moreno2: Não, me fode você, gata!-eu comecei a empurra-lo com toda a minha força, estava tão nervosa e apavorada ao mesmo tempo, tentei sair andando mas quase tropecei por causa do meu salto quebrado o que fez aqueles maloqueiros rirem ainda mais, um deles correu até mim e me prendeu por trás.
Eu: SOLTA!-ele apertou ainda mais meus braços, eu sentia sua respiração em meu pescoço, outro se aproximou na minha frente com o cigarro aceso e ameaçou encostar a parte acesa no meu rosto. Eu gritei mas ele não parou de aproximar aquela coisa de mim. -ME SOLTA!-me esperneei tentando livrar aqueles braços de mim. O moreno, que agora perto de mim bem a minha frente com uma distancia perigosa, tinha o rosto mais iluminado pela luz do poste atrás de nós. Eu pude ver que ele tinha uma barba rala, olhos castanhos mais claros que o cabelo bem escuro e seus traços eram delicados comparado ao seu jeito. Ele era o que mais chamava atenção de todos, mas simplesmente não tinha nada em especial, por isso não entendi essa jogada da minha mente. Ele aproximou seu rosto de mim enquanto o loiro segurava meus braços para trás, colocou a mão fria no meu pescoço e afastou meu cabelo do meu pescoço. Eu lhe encarava com frieza e isso só parecia fazê-lo se divertir. Com a outra mão, deu uma tragada no cigarro e em seguida encostou a parte acesa no meu pescoço me fazendo berrar muito alto por socorro. -AH! POR FAVOR ME SOLTA!-a dor daquilo era terrível.
XXX: DROGA, ELA FALOU PARA SOLTAR. -ouvi de trás de mim. Virei a cabeça surpresa assim como os caras, eu pude ouvir meus batimentos nos meus ouvidos enquanto David se afastava de seu carro ligado e vinha até nós. -VOCÊ NÃO OUVIU, FILHO DA MÃE?-um dos morenos foi até David aborrecido.
Moreno3: Escuta aqui, quem você pensa que é para impedir isso? A gente só tá brincando com ela.
David: Eu estou mandando vocês ficarem longe dela, isso já terrível até pra você. -eles se conheciam? O cara bufou com descaso.
Moreno3: Não vem querer dar uma de herói, você é um bosta, a gente vai partir essa noite e eu vou levar ela como um bônus dessa cidade de merda.
David: Ela não vai a lugar nenhum, vem pra cá SeuNome. -eu olhei para os caras e as mãos deles estavam frouxas de mim, andei para longe deles me aproximando de David mas nessa mesma hora, o cara moreno com o cigarro lhe deu um soco no rosto o fazendo ir para trás.
Eu: PARA!-gritei ao vê-los soca-lo várias vezes, David parecia quase não conseguir se defender.
Moreno3: EU CANSEI DE VOCÊ E DAS SUAS ORDENS DE MERDA EU FAÇO O QUE EU QUISER PORRA!-David segurou a mão dele mas o cara lhe chutou fazendo David cair em cima do capô de seu carro. Eu fui para cima do cara, tentei golpear ele mas tudo que ele fazia era rir de mim, trocava o cigarro de mão e olhava em volta, sem nem sequer se defender.
Loiro2: Ai que gostosa ela fica batendo.
Loiro1: Bate em mim aqui! Vem cá!-ria. Eu socava o peitoral e o pescoço do cara mas ele continuava sem reagir como se nem o ferisse, então tentei socar seu rosto mas ele segurou minha mão num ótimo reflexo.
Moreno3: Tá maluca vadia, tá querendo estragar esse rostinho lindo?-apontou para si mesmo.
Eu: Eu vou é transformar seu rosto num depósito. -ele olhou para trás de mim, como se tivesse alguém parado ali e sorriu.
Moreno3: É, eu acho que não. -antes que eu me virasse senti um baque forte na cabeça, fazendo-me cair no chão e apagar de vez depois de ver a luz do poste borrada aos meus olhos.


CONTINUA...
Será que depois dessa ela vai continuar com o David? Ele é uma graça né gente? Bom, aqui está o capítulo. Lembram-se que eu falei que não sabia se iria continuar? Bom, pois é. Mas aí eu fui ler os comentários que vocês me deixaram e fiquei tão feliz que vocês nem imaginam, iria ficar muito mal de não tentar continuar depois daquilo, seria injusto por vocês que me deram força para continuar e que me incentivaram. Muito obrigada! Então é isso, eu espero que vocês gostem, e como eu disse vai melhorar! Mil beijos!
Lizzy <333


10 comentários:

  1. OH MY GODS. OH MY GODS. Que porra perfeita do caralho é essa? Desculpa os palavrões, puta merda! Eu nunca li um capítulo tão divo, cheio de ação, emoções e coisas assim. Esses caras são filhos da puta mas fodas também e puta merda, Zayn, vc ta nessa!!! O Loiro2 parecia o Niall auehuhuwheuh. O David é muito fofo owins. FIQUEM JUNTOS PLISI. Mas ow, tb tem que ficar com o ZAYN. CONTINUAAAAAAAAAAAAA MELHOR CAPÍTULO DA FACE DA TERRA EU VOU MORRER, BADBOY OF' MINE, CASA CMG?????? EU SEI FAZER MIOJOOOOOOOOOOOOOOOO
    BJS TE AMOOOOOO CONTINUA OU EU CORTO MEUS BRAÇOS FORAA! TE AMO!

    ResponderExcluir
  2. Continua cara! Tá nega super ultra perfeito!!
    xx Luh

    ResponderExcluir
  3. Amando essa fic *-* que perfeitaaaaaa !!
    xx May

    ResponderExcluir
  4. Cara to feliz q vc irá continuar, q desespero cara, q do mals os minos nessa fica, bom pelo q eu entendi ate agr os "carinhas" q me aterrorizaram são os minos, eu acho, continua logo to curiosa
    xoxo Duda

    ResponderExcluir
  5. continua ou eu morroooooooooooooooooooooooo

    ResponderExcluir
  6. TÁ PERFECT, O ZAYN É MUITO FODA. SEUNOME DIVA, DAVID FOFO
    X
    O
    X
    O

    ResponderExcluir